|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

Nem ateu nem fariseu

​Sei o que fazia falta à mãe que deixou o bebé no lixo

15 nov, 2019 • Opinião de Henrique Raposo


Queremos punir as mães solteiras abandonadas pelos namorados (que nunca são responsabilizados) ou queremos salvar as vidas dos bebés, evitando abortos e infanticídios? Se queremos a vida e não a punição, o regresso da roda dos expostos, a tal "caixa segura", é uma solução.

Na autobiografia de Patti Smith, há uma grande mas discreta passagem: ela engravida muito jovem; sendo cristã, recusa o aborto mas também recusa a ideia de ser mãe solteira, não está preparada. A solução é muito discreta: ela dá logo o bebé para adopção assim que ele nasce, sem burocracias, sem questionários, sem comentários. Ela, a mãe, não é humilhada por uma sistema inquiridor. Em consequência, o mais importante é alcançado: a salvaguarda da vida do bebé, que não é abortado, que não é deixado num descampado.

Há dias, já no contexto do caso do bebé abandonado no lixo, a “Visão” publicou uma peça da jornalista Patrícia Fonseca que nos mostra como esta discrição é impossível em Portugal. Se quisesse entregar o bebé para adopção aqui em Lisboa, aquela mulher sem-abrigo teria de passar por um lento e humilhante processo de inquirição. Não podia ficar incógnita, tinha de ser identificada e interrogada. Este é um sistema de uma sociedade moralista e não moral, até porque depois exige a comparência perante um juiz. Gostava que imaginassem o cenário: uma rapariga sai da maternidade sem o filho que deu para adopção; como se isto não fosse suficiente, ela tem de comparecer 15 dias depois junto de um juiz. Para quê esta humilhação extra que funciona como foco dissuasor da intenção original (ter a criança, não abortar)?

Se uma rapariga engravida e não está preparada para ser mãe por esta ou aquela razão (cabe a Deus julgar as razões), então o melhor cenário é fazer tudo para evitarmos a tentação do aborto e do infanticídio. Qual é a causa da esmagadora maioria dos abortos? A vergonha, a pressão social, os rótulos que se colam, “mulher fácil”, “quenga”, “sem vergonha”, “imoral”, “não tem responsabilidade”, etc., etc., etc. Em Portugal, a impossibilidade do anonimato e a comparência perante um juiz reforça essa humilhação. Noutros países europeus, as mães podem decidir dar o bebé para adoção ainda durante a gravidez (o processo fica fechado na gestação) e não têm de ser identificadas. Em países como Alemanha, Inglaterra, Suíça, Itália e Polónia, até já saltámos para o futuro através do passado. Explico-me: a roda dos expostos, prática medieval ilegalizada no século XIX, está de regresso a estes países. Chamam-lhe agora "caixa segura” e funciona como uma moderníssima roda dos expostos: na parede da maternidade ou hospital, há uma janela, que, uma vez aberta, dá para um berço aquecido e com uma luz ténue, ou seja, o berço é um cofre onde se vai depositar o bebé; a mãe pode deixar ali o bebé sem que ninguém a veja, sem que ninguém a questione; assim que ela fecha a janela com o bebé lá dentro, o cofre-berço só poderá ser aberto por dentro pelas enfermeiras; a mãe pode deixar a sua identificação (que só poderá ser revelada quando a criança atingir os 16 anos) e lembranças, bonecos, peluches, cartas, bilhetes onde podemos ler coisas como "Chamo-me João".

Nas fotografias que acompanham a peça da “Visão”, podemos ler a seguinte legenda na foto de uma “caixa segura” polaca: “na Polónia, apesar do conservadorismo cristão, a Cáritas multiplica as caixas seguras para bebés”. Apesar do conservadorismo cristão? Lamento, mas esse "apesar de" não faz sentido. Esta prática é católica, a roda dos expostos estava montada nos conventos. Esta prática é uma consequência e não a negação da visão moral do catolicismo. Escrevi "moral" e não "moralista", porque no final do dia só há uma pergunta: queremos punir as mães solteiras abandonadas pelos namorados (que nunca são responsabilizados) ou queremos salvar as vidas dos bebés, evitando abortos e infanticídios? Se queremos a vida e não a punição, o regresso da roda dos expostos, a tal "caixa segura", é uma solução.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vera Costa
    15 nov, 2019 22:49
    Pelo que tenho ouvido, a rapariga escondeu do namorado, que estava grávida! um bebé não é coisa que se esconda! ela não queria mesmo ter o filho! por isso deitou-o no lixo! É imperdoável! mas também ainda ninguém apareceu a dizer que queria adoptar a criança! se fosse um cão ou um gato, havia logo quem fosse a correr buscá-lo! Afinal que mundo é este? que eu não entendo?!
  • Elisabete Saraiva
    15 nov, 2019 15:29
    Após tanto ler... Penso que isto sim é o ponto a ser focado/abordado . Queremos ou não ser "heróis" destes "meninos?
  • Manuel Oliveira
    15 nov, 2019 Lisboa 11:44
    Faço minhas as palavras de João Lopes. Parabéns Henrique Raposo! -- Apesar de ser professor de filosofia, o seu artigo fez-me chorar (o que é quase inédito nas minhas leituras). Muito obrigado.
  • João Lopes
    15 nov, 2019 09:15
    Excelente artigo de Henrique Raposo: desenvolver soluções para «salvar as vidas dos bebés, evitando abortos e infanticídios». A sociedade pseudo-moderna é justiceira e insensível ao valor da vida humana sobretudo quando ela se apresenta mais indefesa e necessita de maiores cuidados.