|
A+ / A-

Laboratório de Análises de Dopagem de Lisboa reabre em 2020

14 nov, 2019 - 14:25 • Lusa

Reabertura está marcada para o primeiro trimestre, mais de um ano após perder acreditação da Agência Mundial Antidopagem.

A+ / A-

O Laboratório de Análises de Dopagem (LAD) de Lisboa reabre no primeiro trimestre de 2020, mais de um ano após perder a acreditação da Agência Mundial Antidopagem (AMA). Anúncio feito, esta quinta-feira, pelo secretário de Estado da Juventude e do Desporto.

"Finalmente, tudo indica que no primeiro trimestre de 2020 teremos o nosso laboratório acreditado de novo", afirmou João Paulo Rebelo, à margem da assinatura de um protocolo entre a Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) e o Comité Olímpico de Portugal (COP).

O governante reconheceu que foi preciso algum tempo para reverter o "desinvestimento que existiu nos últimos anos" no laboratório de Lisboa, que perdeu a acreditação da AMA em 25 de outubro de 2018, devido à falta de conformidade com os procedimentos internacionais.

"O país passou por um momento difícil, que foram aqueles anos de constrangimentos financeiros (...) e o laboratório foi alvo de desinvestimento sucessivo, quer nos seus recursos humanos, quer nos seus recursos técnicos e mesmo de equipamentos", referiu.

País não estava preparado para as atualizações

João Paulo Rebelo explicou que nos últimos anos houve "um investimento nos recursos humanos, nos equipamentos técnicos e na implementação de métodos que, entretanto, a Autoridade Mundial Antidopagem obrigava o laboratório a cumprir" e que o país não estava preparado para fazer em 2016, quando o laboratório foi suspenso.

O LAD de Lisboa foi suspenso em 15 de abril de 2016 por um período de seis meses, tendo essa suspensão sido mais tarde ampliada para um ano, findo o qual a AMA decidiu dar início aos procedimentos para a revogação da acreditação, após verificar que as irregularidades detetadas se mantinham.

Com a suspensão, o laboratório ficou impedido de proceder à análise das amostras por parte de federações e organizações desportivas que tenham assinado o código mundial antidopagem.

O protocolo assinado entre a ADoP e o COP pretende, segundo as duas entidades, ter um caráter preventivo na luta contra o doping.

"A educação, formação e informação são o caminho para a prevenção dos casos de doping", afirmou Manuel Brito, presidente da ADoP, lembrando que o protocolo vai efetivar-se já na sexta-feira, com uma ação de formação no encontro nacional de atletas olímpicos, que decorrerá em Sintra.

José Manuel Constantino, presidente do COP, considerou que a ADoP "é o melhor organismo para informar os atletas dos riscos, perigos, regras e consequências do doping".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 14 nov, 2019 15:55
    Prontos! Outra vez papas fogo!