|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Em defesa dos princípios

14 nov, 2019 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O presidente Marcelo e o Presidente italiano Mattarella advogam uma Europa unida, incluindo no drama da imigração. Não terão resultados no imediato. Mas mostram uma saudável fidelidade a princípios básicos de civilização.

Na sua visita de Estado a Itália, o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa apelou a uma posição “comum” e “forte” da UE sobre migrações. E agradeceu à Itália a “coragem, quase heroísmo”, com que aquele país acolheu, quase sozinho dura+nte muito tempo, a entrada de refugiados e imigrantes.

O Presidente da Itália, Sergio Mattarella, tem a mesma visão de Marcelo nesta matéria. Infelizmente, como Presidente da República, Mattarella não governa (o mesmo se passa, de resto, com Marcelo em Portugal). Mesmo assim, o Presidente italiano contribuiu decisivamente para impedir que Salvini, o campeão da hostilidade aos migrantes, formasse governo.

Salvini está agora na oposição. Mas trabalha para voltar ao poder. “Estou certo de que voltaremos ao governo. E será em breve e pela porta principal”, assegurou recentemente este político de extrema direita, que se diz nacionalista, mas há poucos anos queria liquidar a Itália, criando um novo país no Norte, a “Padânia”.

E, de facto, há menos de um mês o partido do oportunista Salvini ganhou as eleições regionais na Úmbria. Este político também é adversário da integração europeia; e simpatiza com o Brexit e com os independentistas da Catalunha. Ou seja, a manutenção no poder do atual governo italiano é essencial para que não se instalem de novo, em Itália, o radicalismo xenófobo, a desumanidade e a intolerância.

Só que a rejeição dos imigrantes não é um problema só da Itália. Vários Estados membros da UE recusam receber um migrante que seja. É impossível, assim, que a Europa comunitária consiga, pelo menos no curto e médio prazos, uma posição comum sobre esta matéria. O que não torna inúteis as declarações de Marcelo e de Mattarella. Desistir de lutar pelos princípios de civilização próprios da integração europeia seria uma abdicação suicida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.