|
A+ / A-

Youtubers. PGR está a investigar dois casos relacionados com jogo ilegal online

13 nov, 2019 - 13:06 • Inês Rocha

Das 13 participações feitas pelo regulador ao Ministério Público, desde 2015, apenas duas estão em investigação. Cinco casos foram arquivados.

A+ / A-
Como é que os youtubers promovem sites de jogo ilegal? Veja aqui excertos dos vídeos bloqueados
Como é que os youtubers promovem sites de jogo ilegal? Veja aqui excertos dos vídeos bloqueados

A Procuradoria Geral da República confirma estar a investigar dois casos relacionados com jogo ilegal online no DIAP de Lisboa.

Desde que o setor do jogo foi regulado, em 2015, o Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ) fez um total de 13 participações ao Ministério Público, para abertura de inquérito.

Na sequência de uma investigação da Renascença, a PGR confirma agora que cinco inquéritos foram entretanto arquivados. Dois estão ainda em investigação. Quanto às restantes cinco denúncias do regulador, não é ainda claro se deram origem a inquérito.

Desde 2015, o SRIJ notificou 408 operadores ilegais, para encerrarem a sua atividade em Portugal. Solicitou ainda aos fornecedores de acesso à internet o bloqueio de 324 sítios na Internet de operadores ilegais que, não obstante terem sido notificados pelo SRIJ para cessarem a atividade, continuaram a disponibilizar em Portugal jogos e apostas online.

A Renascença noticiou esta terça-feira que mais de uma dezena de youtubers portugueses têm promovido sites de apostas ilegais. Trata-se de um crime, segundo a lei portuguesa, punível com penas até cinco anos de prisão.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.