|
A+ / A-

Salário mínimo. Governo põe na mesa 635 euros para 2020

13 nov, 2019 - 09:28 • Ana Carrilho com Redação

Já é oficial. A Renascença apurou que este é o valor que o Executivo apresentou na Concertação Social para o próximo ano.

A+ / A-

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, apresentou aos parceiros sociais, esta manhã, na reunião da Comissão Permanente de Segurança Social uma atualização do salário mínimo para 635 euros – são mais 35 euros.

Um valor que não reúne o consenso desejado pelo Governo. Só o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, se mostra disponível para aceitar, no âmbito de um aumento gradual e sustentado, até atingir os 750 euros em 2023. Para Arménio Carlos, da CGTP, a subida “é insuficiente e significa o perpetuar do modelo de baixos salários”.

Já a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) discorda do modelo de negociação e o presidente Vieira Lopes já disse que não vai assinar qualquer acordo.

Quanto às outras confederações patronais, à entrada para a reunião não se pronunciaram, mas anteriormente tinham apontado os 625 euros como “um valor razoável”.

635€ mas com monitorização dos impactos

No documento distribuídos aos parceiros sociais e a que os jornalistas já tiveram a cesso, o Governo propõe o aumento do Salário Mínimo para 635 euros, a partir de 1 de janeiro de 2020. Atualização cujos impactos deverão ser monitorizados regularmente. Por outro lado, o Executivo quer iniciar “desde já” na CPCS (Comissão Permanente de Concertação Social) uma discussão “com vista ao alcance de um acordo de médio prazo sobre salários, rendimentos e competitividade, em articulação como matérias prioritárias como a valorização de jovens qualificados, a conciliação do trabalho, vida pessoal e familiar e a formação profissional”.

O objetivo da ministra Ana Mendes Godinho é alcançar um consenso na Concertação Social e de preferência, nesta reunião. Se tal não acontecer, o Governo decide.

“Sim”, só da UGT

Apesar de ter apresentado uma proposta para 2020 na ordem dos 660 euros, o secretário geral da UGT admitiu que a central está disponível para aceitar os 635 euros, no quadro de uma evolução até aos 750 euros em 2023. Carlos Silva sugeriu mesmo uma evolução: 635 em 2020, 670 em 2021, 710-715 em 2022 e finalmente, os prometidos 750 no último ano da legislatura, em 2023.

Relativamente ao pedido de contrapartidas das confederações patronais, o sindicalista da UGT, considera “inaceitável”. E reforça, dizendo que vem aí a discussão do Orçamento do Estado: “Algumas questões que querem reivindicar, podem ou não ser atendidas pelo Governo. Agora, vir dizer aos trabalhadores do salário mínimo que querem contrapartidas por aumento de 35 euros … por favor! Não estamos disponíveis para isso”.

O salário mínimo foi fixado este ano em 600 euros e, nos últimos quatro anos, aumentou 19% em termos nominais e 14% em termos reais (descontando a inflação).

O valor para o próximo ano deverá ficar fechado na Concertação Social, tendo o Governo como meta atingir os 750 euros em 2023.

O número de trabalhadores a ganhar o salário mínimo nacional (SMN) atingiu 720,8 mil em setembro, uma redução de 28 mil face ao mesmo mês do ano passado, revelam dados do Ministério do Trabalho.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.