|
A+ / A-

PSOE e Podemos chegam a acordo para governar Espanha. Iglesias será vice-presidente

12 nov, 2019 - 12:50 • Redação com Lusa

Os dois líderes partidários encontraram-se em segredo na segunda-feira à tarde para reatar as negociações que tinham ficado paralisadas em julho.

A+ / A-

O primeiro-ministro socialista Pedro Sánchez chegou a um acordo preliminar com o partido liderado por Pablo Iglesias, do Podemos, para um governo de coligação.

Segundo o jornal "La Vanguardia", os dois líderes partidários encontraram-se em segredo na segunda-feira à tarde para reatar as negociações que tinham ficado paralisadas em julho. O mesmo jornal adianta que Pablo Iglesias será vice-presidente do governo.

O documento de pré-acordo já foi assinado. "Os espanhóis falaram e cabe aos partidos responder à sua vontade", disse Pedro Sánchez depois de assinar o documento, enquanto Pablo Iglesias realçou a honra que constitui para a sua formação fazer parte do Governo.

Os dois líderes afirmaram que agora vão tentar obter o apoio de outros partidos no parlamento necessário à obtenção de uma maioria parlamentar que garanta a investidura do futuro executivo.

Apesar do acordo, Pedro Sánchez precisa não apenas do apoio do Unidas Podemos, mas também do apoio de outros partidos.

Naquela que foi a quarta eleição em quatro anos, o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) foi a força mais votada, com 28% dos votos, mas perdeu três lugares no parlamento, passando a ter 120, seguido pelo Partido Popular (PP), com 20,8% dos votos e 88 deputados, e pelo Vox, com 15,1% e 52 eleitos.

O Unidas Podemos, com 12,8%, elegeu 35 deputados e o Cidadãos, com 6,8%, conseguiu 10 lugares no parlamento.

Reações negativas ao pré-acordo

O presidente do Partido Popular (PP, direita), o maior da oposição em Espanha, considerou, entretanto, "muito preocupante" o pré-acordo agora assinado.

"Nós vamos estar à altura da situação, mas [Pedro Sánchez] não quis saber de nós, tomou a sua decisão", lamentou o líder do PP, Pablo Casado, concluindo que "é óbvio que [Sánchez] fecha a porta com estrondo a qualquer colaboração com o PP".

Numa conferência de imprensa em Madrid, depois do Comité Executivo Nacional do partido, após tomar conhecimento da assinatura de um acordo preliminar de coligação governamental entre o PSOE e o Unidas Podemos, Casado reiterou que o PP não irá facilitar a investidura de Sánchez, porque os seus programas "são incompatíveis".

Por seu lado, o presidente do Vox (Extrema-direita), o terceiro maior partido espanhol depois das eleições de domingo, assegurou que, com o pré-acordo governamental alcançado, "o PSOE abraça o comunismo bolivariano, os aliados de um golpe de Estado no meio de um golpe de Estado".

Numa mensagem na rede social Twitter, Santiago Abascal também enfatizou que o seu partido fará com que o primeiro-ministro em exercício e líder do PSOE seja "responsável por qualquer dano que causem à coexistência".

O Cidadãos (direita liberal) anunciou que não irá apoiar o acordo de coligação, porque o considera "nefasto" e contrário aos interesses da maioria dos espanhóis, tendo apelado à responsabilidade do PSOE e do PP para chegarem a um acordo "moderado" com o seu partido.

"Há dois dias [os socialistas] não podiam dormir com o Podemos e agora vão viver juntos", considerou o Cidadãos em comunicado.

Por outro lado, o líder do novo partido Mais País, Ínigo Errejón, felicitou-se pelo pré-acordo entre o PSOE e o Podemos e sublinhou que o seu partido irá trabalhar para que haja uma maioria que apoie o futuro executivo.

Os espanhóis deram "uma segunda oportunidade a um governo progressista para fazer um país mais justo" e "esse mandato deve ser cumprido", escreveu Errejon numa mensagem no Twitter.

[notícia atualizada às 16h18]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    12 nov, 2019 Trofa 17:57
    O PSOE andou a brincar com o povo Espanhol