|
A+ / A-

Presidente da Cáritas quer 2% do PIB dedicado à erradicação da pobreza

11 nov, 2019 - 09:50 • Redação

Eugénio da Fonseca defende que esta matéria deveria estar sob tutela direta do próprio Primeiro-ministro.

A+ / A-

À margem da conferência “Com os pobres”, que decorreu este fim-de-semana em Lisboa, o presidente da Cáritas Portuguesa defendeu que 2% do Produto Interno Bruto (PIB) português deveria servir para erradicar a pobreza.

Eugénio da Fonseca assumiu ser viável o objetivo definido no programa de Governo, de erradicar a pobreza durante esta legislatura, mas alerta para a dificuldade da articulação entre os ministérios.

“Podem chamar-me irrealista, porque por vezes vivemos segmentados nas políticas, mas não tenho dúvidas porque há outro ministério determinante que é o das Finanças. Gostava de ver o Governo dizer que uma parte do PIB fosse afeto à erradicação da pobreza. Penso que quando falamos em 2% do PIB não estamos a falar de grande coisa”, disse à Renascença.

O presidente da instituição de solidariedade social defende que esta matéria deveria estar sob tutela direta do próprio primeiro-ministro.

Em 2018, a rede nacional Cáritas registou mais de 120 mil atendimentos, com 73 mil pedidos concedidos a nível internacional, de apoios alimentares e monetários. A instituição conta com mais de cindo mil voluntários ocasionais e 1.500 colaboradores profissionais.

Na abertura do congresso, Eugénio Fonseca sublinhou que a “erradicação da pobreza” está ao alcance da humanidade.

“A pobreza não é uma fatalidade. É uma frase feita mas que precisamos repetir. Para a erradicação da pobreza mão basta agirmos nas consequências geradas pela pobreza, temos de agir sistematicamente e estruturalmente nas causas da pobreza”, enfatizou.

"Com os Pobres" foi o tema escolhido para a conferência anual da Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP), marcada para sábado no Centro Cultural Franciscano, em Lisboa. A iniciativa está relacionada com o Dia Mundial dos Pobres, que se assinala a 17 de novembro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.