Tempo
|
A+ / A-

Cristãos palestinianos voltam a Lisboa para vender artesanato

11 nov, 2019 - 15:02 • Filipe d'Avillez

A iniciativa, que se tem repetido todos os anos por volta do Natal, é uma forma de ajudar a sustentar as famílias cristãs na Terra Santa, combatendo assim o êxodo.

A+ / A-

Estão de novo em Portugal os artesãos cristãos de Belém, na Palestina, que produzem peças de arte religiosa em madeira de oliveiras da Terra Santa.

Segundo Nicolas Ghobar, um dos membros da família que há vários anos vem para Portugal nesta altura vender este artesanato, os cristãos já são apenas 2% da população da Terra Santa.

“Quando o Papa Francisco nos visitou deixou esta mensagem: ‘Peço-vos que não abandonem a Terra Santa, vocês são o sal e as pedras vivas’”, diz.

Mas para viver em Belém é preciso muita coragem. Existem grandes dificuldades económicas e religiosas, muitas pessoas estão a emigrar devido a esta situação e somos cada vez menos”, conclui.

Muitas das famílias cristãs naquela região, cujas raízes remontam ao início do Cristianismo, vivem precisamente da venda de artesanato, normalmente com motivos religiosos. A compra das peças, argumenta Nicolas Ghobar, é uma forma de ajudar as famílias cristãs a manter-se nas suas terras.

“O artesanato é feito em oliveira, a árvore preferida de Jesus, a árvore da vida. Ao adquirirem estes artigos vão sentir que têm um pouco de Belém convosco, além de ajudarem a comunidade cristã”, diz o palestiniano.

Para além de visitar diferentes paróquias, Nicolas Ghobar terá também um espaço de venda ao público na Rua Anchieta, 10, no Chiado, junto à Basílica dos Mártires. A loja estará aberta todos os dias entre as 10h e as 19h, até ao Natal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+