Tempo
|
A+ / A-

Antigos combatentes esperam que estatuto em 2020 "não seja só mais uma promessa"

11 nov, 2019 - 15:19 • Ana Rodrigues com redação

É a reação da Associação Nacional de Sargentos à garantia deixada pelo ministro da Defesa na Renascença. Associação pede também mais atenção aos que “asseguram todos os dias o efetivo funcionamento das Forças Armadas”.

A+ / A-

O ministro da Defesa prometeu esta segunda-feira aprovar o Estatuto do Antigo Combatente em 2020, mas o presidente da Associação Nacional de Sargentos demonstra muitas reservas. Em declarações à Renascença, António Lima Coelho refere que os antigos e atuais combatentes estão a ser prejudicados pela falta de regulamentação.

“Espero que não seja só mais uma promessa, porque o Estatuto do Combatente já anda a enrolar há demasiados anos. E espero bem que não seja a lei da vida a resolver o problema desse universo e homens”, começa por dizer.

“Temos muitos camaradas nossos que participaram nos teatros de guerra e temos muitos camaradas nossos que participam nos teatros de guerra. E sobre estes que participam e a sua condição de ex-combatentes ou de combatentes e a própria condição – esperemos que não tenha que acontecer mais – de eventuais deficientes das Forças Armadas não é clara”, sustenta.

A Associação Nacional de Sargentos quer, assim, ver para crer, até porque em julho o Governo retirou a proposta de lei sobre o Estatuto do Antigo Combatente por dificuldades no modelo de sustentabilidade financeira. E uma das propostas que iria estar em debate no Parlamento está relacionada com a acumulação de benefícios para os antigos combatentes.

Já sobre a falta de efetivos nas Forças Armadas, que o ministro João Gomes Cravinho diz estar a tentar resolver com incentivos, António Lima Coelho diz que o Governo está a olhar para o lado errado da questão.

“Eu, para já, vejo com muita preocupação o facto de o senhor ministro ter um discurso e uma atitude muito focada no recrutamento dos jovens, na retenção dos jovens, nos homens e mulheres que estão em regime de contrato e tem muito pouca atenção para aqueles que são quem assegura todos os dias o efetivo funcionamento das Forças Armadas”, critica.

Os chefes militares dos três ramos das Forças Armadas têm alertado para as dificuldades em cumprir missões, especialmente na Força Aérea. Em resposta, o ministro da Defesa rejeita que a situação seja “insustentável” e diz que se deve “trabalhar em conjunto”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.