|
A+ / A-

México concede asilo a Evo Morales

11 nov, 2019 - 21:11 • Redação com Reuters

Ministro mexicano dos Negócios Estrangeiros exige que o Presidente boliviano demissionário possa deixar o país em segurança.

A+ / A-

O México concedeu asilo político ao ex-Presidente da Bolívia Evo Morales, anunciou esta segunda-feira o ministro mexicano dos Negócios Estrangeiros.

Evo Morales demitiu-se no domingo pressionado pelas Forças Armadas, na sequência da sua contestada vitória nas recentes eleições presidenciais.

“Vamos informar imediatamente o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Bolívia de que, ao abrigo da lei internacional deve garantir salvo conduto” a Evo Morales”, disse aos jornalistas o chefe da diplomacia mexicana, Marcelo Ebrard.

A demissão do Presidente não diminuiu a tensão na Bolívia. Esta segunda-feira, foram registados cortes de estrada e saques em várias zonas do país.

Milhares de apoiantes de Evo Morales estão a marchar até ao Parlamento do país, numa grande manifestação que poderá marcar um frente a frente com as forças de segurança.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta segunda-feira que a demissão de Evo Morales significa a preservação da democracia naquele país e envia uma mensagem para os “regimes ilegítimos” da Venezuela e da Nicarágua.

“A demissão do Presidente boliviano, Evo Morales, é um momento significativo para a democracia no hemisfério ocidental”, disse Trump em comunicado oficial.

Um alto funcionário do Departamento de Estado norte-americano afirmou que Washington não considera a saída de Morales um golpe de Estado, como o próprio Morales e o Governo mexicano alegam.

Segundo o funcionário, a demissão foi o resultado dos protestos do povo boliviano que “se fartou de ver as vontades dos eleitores ignoradas pelo Governo”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.