|
Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Novo impasse em Espanha e ascensão do VOX - 11/11/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Novo impasse em Espanha e ascensão do VOX - 11/11/2019

J. Lucas Pires

Espanha "parece um exercício de autoflagelação"

11 nov, 2019


Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo comentam os resultados da quarta eleição em quatro anos em Espanha, onde ainda não existe Governo e onde o partido de extrema-direita VOX duplicou o número de deputados.

O resultado das eleições em Espanha, no domingo, mais “parece um exercício de autoflagelação”, diz Jacinto Lucas Pires.

“Tem a ver com a questão da Catalunha, a forma como não se resolve, mas há também um lado dramático, que se calhar tem a ver com a maneira espanhola, do tudo ou nada, de não haver compromissos”, acrescenta.

Henrique Raposo recorda que, “antigamente, estes impasses eram resolvidos com guerras”, pelo que “continuamos a ter sorte”.

E, se calhar, a solução vai mesmo ter de ser de rutura, com “a solução alemã” do bloco central, unindo PSOE e PP.

Na opinião de Jacinto Lucas Pires, poderá ter de ser o rei a “permitir esse casamento novo”. Henrique Raposo alerta para a atenção a força que esta coligação poderá dar ao VOX.

O VOX é o partido de extrema-direita que mais do que duplicou o número de deputados no Parlamento espanhol, tornando-se a terceira força política do país.

Henrique Raposo justifica este ganho com um cansaço de quatro anos por parte da população e novamente a questão da Catalunha.

E sublinha que este partido defende um voltar atrás ao tempo em que as mulheres ficam em casa enquanto o homem vai trabalhar.

Jacinto Lucas Pires destaca a sensação de “medo e insegurança em relação ao mundo que muda rapidamente”, que leva as pessoas a votarem neste tipo de partidos, e chama a atenção para a necessidade de voltar a fazer política como um todo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.