A+ / A-
Meeting Lisboa 2019

"Saibamos identificar os sinais deste infinito que vem ao nosso encontro"

10 nov, 2019 - 16:27 • Paula Caeiro Varela

Aura Miguel, jornalista da Renascença e presidente do Meeting Lisboa, fez o balanço da sétima edição de uma iniciativa do movimento Comunhão e Libertação, que durante 2 dias reuniu centenas de pessoas no pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa.

A+ / A-

Terminou esta tarde mais uma edição do Meeting Lisboa, uma iniciativa do movimento Comunhão e Libertação, que durante 2 dias reuniu centenas de pessoas no pavilhão Carlos Lopes, na capital.

A sessão de encerramento contou com um balanço da jornalista da Renascença e presidente do Meeting Lisboa, Aura Miguel.

“Este desígnio misterioso, arrasador, de preferência por cada um de nós, como vimos tão bem expresso nestas várias posições do meeting é aquilo que mais desejamos para todos de reconhecermos presente", disse.

"Os nossos votos é que agora, depois destas horas que passámos juntos, ouvir testemunhos tão bonitos e tão diferentes, que saibamos identificar estes sinais deste infinito que vem ao nosso encontro”, acrescentou, no encerramento da sétima edição do Meeting Lisboa.

A edição deste ano teve como tema “quem me dera escutar de alguém a voz humana”, verso de Álvaro de Campos e contou várias as palestras e exposições sobre temas tão diversos como a dor, o sofrimento, a fé, e uma conversa sobre o universo com o astrofísico Marco Bersanalli.

Também a música esteve em destaque, com uma exposição sobre rock alternativo que foi mote para a última conversa do evento.

Nestes dois dias de encontro, muitas foram as pessoas que passaram pelo pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, com especial destaque para as presenças do Cardeal Patriarca, D. Manuel Clemente e do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.