|
A+ / A-

Paulo Cafôfo filiou-se no PS e tem "empenho e vontade" de liderar PS Madeira

10 nov, 2019 - 17:09 • Lusa

O atual deputado na Assembleia Legislativa da Madeira considerou que este era "um processo natural" porque já tem "alguma militância neste processo com o Partido Socialista".

A+ / A-

O ex-presidente da Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo, filiou-se no PS no dia 8 de novembro, proposto pelo secretário-geral, António Costa, e diz ter "empenho e vontade" de liderar o PS/Madeira.


"Foi com total convicção que me filiei no Partido Socialista", declarou hoje à agência Lusa Paulo Cafôfo, que sempre concorreu a eleições na Madeira como independente.

O atual deputado na Assembleia Legislativa da Madeira considerou que este era "um processo natural" porque já tem "alguma militância neste processo com o Partido Socialista".

"Tendo em conta o percurso que tenho feito, desde a primeira hora que me candidatei à Câmara Municipal do Funchal como independente. Mas a ligação tem sido forte, tem sido construída ao longo dos últimos anos", afirmou.

Questionado sobre a possibilidade de o PS/Madeira adiar o congresso regional agendando para janeiro de 2020 para que possa ser candidato à liderança, visto que os requisitos exigem seis meses de militância no partido, respondeu: "Estou disponível, se fiz uma escolha, há uma escolha que tem de ser feita pelos órgãos do partido".

"Essa escolha é se querem que seja o próximo presidente do PS/Madeira", enfatizou.

Paulo Cafôfo sublinhou que tem "essa disponibilidade, esse empenho e vontade" e que vai "cumprir e respeitar a vontade dos órgãos do partido, respeitando também os estatutos".

"Ficarei a aguardar as respetivas decisões", concluiu.

Paulo Cafôfo encabeçou a lista de candidatos do PS às regionais de 22 de setembro, nas quais o partido elegeu 19 deputados, passando a ser o maior partido da oposição na Madeira, enquanto o PSD perdeu a maioria absoluta que sempre deteve na região, assegurando 21 lugares no parlamento madeirense. O PSD optou por coligar-se com o CDS (três deputados) para formar Governo. O JPP também ocupa três lugares e o PCP/PEV tem um.

"É claro que, após as eleições regionais de 22 de setembro, eu refleti bastante sobre qual era o meu papel no PS e cheguei a uma conclusão, que este projeto que tenho liderado necessita de ser consolidado, o que passaria pela militância no PS", argumentou.

Paulo Cafôfo salientou que fez esta escolha, "assumindo a responsabilidade" que tem, nomeadamente, de "continuar a credibilizar o PS" e "fortalecer" aquele que considera ser "o programa político mais adequado às necessidades da região, com um objetivo claro": o PS, que é "a única alternativa ao poder", chegar ao Governo Regional.

Cafôfo sublinhou que "este é o objetivo final" pelo qual vai trabalhar no partido, "agora como filiado".

O deputado regional também destacou um "enorme orgulho, porque esta filiação não foi feita por quaisquer pessoas, foi feita por António Costa, secretário-geral e primeiro ministro, e o Emanuel Jardim Fernandes", presidente honorário do PS/Madeira e histórico dos socialistas madeirenses.

"Fiz esta escolha e agradeço muito o facto de terem aceitado ser meus proponentes nesta filiação", realçou, sustentando que "foram duas pessoas certas" para o "conduzir nesta entrada no PS".

Paulo Cafôfo reforçou que se filiou para "consolidar este projeto, para credibilizar o Partido Socialista e para que o PS possa ser poder na região" e existam "outras políticas que não estas gastas do PSD.

A aguardada filiação do independente Paulo Cafôfo no Partido Socialista foi, este domingo, avançada pelo Diário de Notícias da Madeira.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.