|
A+ / A-

Arcebispo de Barcelona: "Esquecemos os pobres porque incomodam"

09 nov, 2019 - 13:59 • Susana Madureira Martins

O cardeal Juan Jose Omella está em Lisboa a participar na conferência "Com os pobres", em que defendeu que é preciso trazer justiça a uma sociedade em que algumas pessoas vão a centros de emagrecimento e outras não têm o que comer.

A+ / A-

Num estilo cativante, muito falador e sempre a pedir mais tempo à organização da conferência "Com os pobres", que está a decorrer no Centro Cultural Franciscano, em Lisboa, o cardeal Juan José Omella, arcebispo de Barcelona, foi direto ao assunto: "A terra é de todos e é uma injustiça que se passe fome".

Toda a intervenção do cardeal Omella andou à volta do conceito "opção preferencial pelos pobres", uma expressão, que explicou, nasceu na América Latina em meados do século passado e que, para o arcebispo de Barcelona, "é o mesmo que o amor", é "sair de si próprio e amar o outro".

O cardeal Omella, perante vários elementos da hierarquia da Igreja Católica portuguesa presentes na sala, referiu que "no começo da Igreja estão os pobres, os doentes", deixando como o exemplo aquilo que tem visto quando vai o Vaticano.

"Quantas vezes se vai ao Vaticano e agora, mais do que nunca, se veem os pobres a andar por ali pela colunata de Bernini e pela Praça de São Pedro e antes não se viam? São seres humanos, que estão esquecidos", notou. Depois, alertou que "todos como sociedade" têm "de reagir" e que os pobres vão sendo esquecidos "porque incomodam".

Dos avisos e recados não ficou de fora a própria Igreja. O cardeal Omella lembrou que "quando os bispos são ordenados uma das perguntas que fazem é 'queres ser pai dos pobres?', e todos dizem que sim, na catedral". "Só que depois, na rua, quando encontram um pobre dizem 'ai, rapaz, deixa-me'" - ou seja, "o pobre incomoda", ficando esquecida "a promessa" feita de "amor preferencial aos pobres".

A diferença entre a pregação e a prática ficou ainda patente noutra parte do discurso de Omella, que admitiu que se fazem "artigos óptimos" sobre pobreza, mas "na vida concreta custa mais", desafiando a que se passe "da reflexão" para a "ação".

O cardeal referiu que é necessário "atacar, denunciar, as causas e as raízes da pobreza", dando como exemplos as existentes "falta de justiça e de solidariedade", dizendo-se "indignado" pela maneira como a Europa está a tratar os migrantes que chegam todos os dias ao continente.

Durante a intervenção, o arcebispo de Barcelona referiu que se indigna com as pessoas que dizem que, perante a "avalanche de imigrantes", não se pode acolhê-los, mas, admitindo que quem o diz "até tem razão", coloca porém a questão: "O que foi feito, o que está a fazer-se para que não tenham de sair de onde estão?".

Sempre num estilo peculiar, o cardeal Omella atirou ainda que uma "injustiça enorme é morrer de fome", para concluir que injustiça também é "o dinheiro que se gasta para perder quilos", ressalvando logo que lhe "perdoem os que estão gordos, não é porque comam, é porque é biológico", provocando gargalhadas na plateia pelo humor usado.

De forma mais séria, o arcebispo de Barcelona terminou resumindo que há quem na sociedade vá a centros de emagrecimento "enquanto outros não têm o que comer", o que é "uma injustiça".

Na intervenção de mais de uma hora, o cardeal Omella disse ainda que "é preciso sensibilizar a sociedade para responder aos problemas, ajudar os pobres a sair daquela situação", dando como soluções "a reinserção social, que os pobres sejam os protagonistas do seu próprio desenvolvimento". E mais, "caminhar com eles", concluiu o cardeal.

E foi ainda deixado outro desafio à plateia. Em vez de fazer-se a pergunta "onde está Deus?" quando se vê a pobreza no mundo, o cardeal Omella propõs que se coloque a questão "onde estamos nós? onde estás tu?", promovendo no fundo uma responsabilização de cada um pela solução ou alívio do problema.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.