|
A+ / A-

Mário Nogueira diz que prémios de assiduidade servem para rotular funcionários públicos de "malandros"

09 nov, 2019 - 15:53 • Lusa

Intenção revelada pela ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, caiu mal na Fenprof, revelou o secretário-geral da maior federação sindical docente do país.

A+ / A-

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, acusou este sábado o Governo de querer passar a ideia de os funcionários públicos serem "uns malandros" que faltam ao trabalho, ao anunciar a intenção de criar prémios de assiduidade.

A nova ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, disse recentemente em entrevista ao jornal "Público" que pretendia implementar mecanismos de incentivo aos funcionários públicos mais assíduos, no âmbito de um pacote plurianual que pretende negociar com os sindicatos.

A notícia caiu mal na Federação Nacional de Professores (Fenprof), revelou o secretário-geral em conferência de imprensa na sede da Fenprof, depois de dois dias de reuniões do secretariado nacional.

Mário Nogueira repudiou a forma como a intenção foi anunciada, considerando que o real objetivo é "desvalorizar socialmente os trabalhadores da Função Pública para poder depois mais facilmente atacar as carreiras, tendo a opinião pública contra as pessoas".

A ideia, continuou, é "lançar novamente na sociedade portuguesa o estigma sobre os funcionários públicos do absentismo" ao passar uma imagem de que "são tão malandros que a norma é serem absentistas, logo, o prémio é algo excecional".

Para o secretário-geral da Fenprof, a forma como a situação foi colocada parece que a assiduidade é "algo de excecional" e assim fica no ar a ideia de que com a criação deste incentivo "pode ser que estes malandros vão todos trabalhar".

"Não aceitamos essa conversa. É uma conversa absolutamente reprovável e inaceitável", criticou.

O representante dos professores questionou ainda a ministra sobre se o futuro mecanismo de promoção da assiduidade irá abranger "os professores que estão doentes", os que estão de licença de parentalidade ou os que não estão a trabalhar porque têm um familiar que faleceu, estão em formação ou estão a dar apoio a familiares doentes.

"O que é que considera ser assiduidade e absentismo para dar prémios?", questionou.

Para Mário Nogueira, se os prémios de assiduidade abrangerem todos os que faltam apenas em situações legalmente justificadas então "todos vão ter um prémio".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    09 nov, 2019 Coimbra 18:59
    É o que são 90% dos funcionários públicos. Sendo Mário Nogueiró o seu chefe e é chulo dos portugueses. Mas isto só é possível, com os aumentos para todos, trabalhem ou não, bem como, a progressão na carreira ser feita por tempo e não por qualidade de desempenho. Pois as avaliações feitas, são falsas e feitas à medida de cada um. Se não vejamos: Mário Nogueira foi avaliado com nota alta e já não dá aulas à imensos anos e não sei se ainda saberá dar!!!