A+ / A-
Saúde

Portugal é um dos países com maior prevalência de casos de demência

08 nov, 2019 - 07:21 • Lusa

Estima-se que quase 20 milhões de pessoas nos países da OCDE sofram atualmente de demência.

A+ / A-

Portugal é um dos quatro países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) com maior prevalência de casos de demência entre a população, um problema que vai duplicar em 2050.

De acordo com o relatório "Health at a Glance 2019", em Portugal a prevalência da demência está pouco fica acima dos 20 casos por 1.000 habitantes, mas em 2050 prevê-se que duplique, chegando aos 40,5 casos por 1.000 habitantes.

A idade continua a ser o maior fator de risco para a demência e, nos 36 países da OCDE, a prevalência média de demência sobe de 2,3% entre as pessoas de 65 a 69 anos para quase 42% entre as pessoas de 90 ou mais.

A proporção da população com 65 anos ou mais aumentou de menos de 9% em 1960 para mais de 17% em 2017 e as taxas decrescentes de fertilidade e a expectativa de vida mais longa fizeram com que os idosos representem uma proporção crescente da população nos países da OCDE

Os países com algumas das populações mais envelhecidas da OCDE - como o Japão, Itália, Alemanha e Portugal - têm também os maiores valores de prevalência de demência.

Estima-se que quase 20 milhões de pessoas nos países da OCDE sofram atualmente de demência. E, se as tendências atuais continuarem, "esse número mais que duplicará em 2050, atingindo quase 41 milhões de pessoas nos países da OCDE", alerta o documento.

Nos países da OCDE, em média, estima-se que 15 em cada 1.000 habitantes tenham demência. Em sete países, mais de 20 pessoas por 1.000 habitantes vivem com este transtorno.

Em 2050, à exceção de três países (Eslováquia, Israel e Hungria), todos os restantes da OCDE terão uma prevalência de demência superior a 20 pessoas por 1.000 habitantes e em quatro deles (Portugal, Japão, Itália e Espanha) a prevalência será superior a 35 por 1.000 habitantes.

O relatório alerta ainda que há muito que o sistema de saúde e a assistência social podem fazer para melhorar os cuidados e a qualidade de vida a estas pessoas e às suas famílias e reconhece que, nos últimos anos, pelo menos 25 países da OCDE desenvolveram ou anunciaram planos ou estratégias nacionais para enfrentar o problema.

O relatório da OCDE faz ainda referência aos antipsicóticos receitados para reduzir sintomas psicológicos que afetam muitas pessoas com demência, mas alerta que os riscos de saúde associados fazem com que devam ser recomendados "apenas como último recurso".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.