A+ / A-

"Máfia do Sangue". Sete arguidos acusados de corrupção, abuso de poder e outros crimes

08 nov, 2019 - 13:05 • Celso Paiva Sol

Seis pessoas e uma empresa são acusadas de corrupção passiva e ativa, recebimento indevido de vantagem, falsificação de documentos, abuso de poder, e branqueamento de capitais.

A+ / A-

É oficial. O Ministério Público confirmou esta sexta-feira que deduziu acusação contra sete arguidos no inquérito “O negativo”, mais conhecido por "Máfia do Sangue".

Embora não sejam avançados nomes, é certo que entre os acusados está Paulo Lalanda e Castro, ex-administrador da farmacêutica Octapharma, e Luís Cunha Ribeiro, ex-presidente do INEM e da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT).

Em comunicado, a Procuradoria Geral da República revela que os arguidos (um deles pessoa coletiva) são acusados de corrupção passiva e ativa, recebimento indevido de vantagem, falsificação de documentos, abuso de poder, e branqueamento de capitais.

Em causa está a escolha da Octapharma para o fornecimento de plasma inativado aos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), um processo que o Ministério Público e a Polícia Judiciária consideram estar envolto em diversos crimes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.