A+ / A-

Mãe que abandonou bebé. "Podemos ter aqui um problema a nível de saúde mental"

08 nov, 2019 - 16:44 • Sérgio Costa , com Rui Barros

A psicóloga Rute Agulhas defende que, antes de se responsabilizar ou fazer juízos de valor sobre a mãe que abandonou um recém-nascido num caixote do lixo, é necessário perceber o que levou a esta situação.

A+ / A-

Perceber antes de culpabilizar. A especialista em psicologia clínica Rute Agulhas considera que, antes de se produzirem quaisquer juízos sobre o caso da jovem de 22 anos detida esta sexta-feira por ter abandonado o filho num caixote do lixo, é necessário perceber as razões que levam alguém a cometer esse crime.

Questionada pela Renascença sobre o que pode levar uma mãe a abandonar um recém-nascido naquelas condições, a especialista pediu que se abandonasse uma visão redutora da situação e para que não se condene antes de se conhecerem todos os contornos do caso.

"É necessária alguma cautela com os juízos de valor um bocadinho precipitados e com as condenações públicas que se fazem 'à priori', sem se conhecer os contornos do caso. Este caso tem que ser avaliado e pode ser uma leitura um bocado simplista pensarmos que poderá ser apenas uma questão social - de miséria, de pobreza - ou uma questão moral", explica a especialista. "Essa será uma visão sempre redutora da situação", ressalva Rute Agulhas.

"Podemos ter aqui um quadro de problema a nível de saúde mental, podemos ter até uma situação psiquiátrica", lembra a professora do ISCTE-IUL, que entende que há um problema de acompanhamento da saúde mental dos portugueses, e em especial na população que está sem abrigo. "Sabemos que há uma prevalência deste tipo de problemáticas nos sem-abrigo, associada também a consumos", ressalva ainda. “Outra intervenção, a nível da saúde mental, social, deve ser pensada”, pede.

O Estado falhou a esta mulher?

De acordo com a informação da Polícia Judiciária, a progenitora é uma mulher de 22 anos que “vivia em condições precárias na via pública”. Segundo a mesma fonte, a mulher não tem antecedentes criminais e terá agido sozinha.

Para Rute Agulhas, isto poderá ser um claro sinal de que algo falhou. "Esta rapariga, alegadamente com 22 anos de idade, é uma jovem adulta. Bem há pouco tempo era uma adolescente. E antes disso foi uma criança. É preciso pensarmos em que medida é que o próprio sistema é capaz de dar resposta. Onde é que esta jovem estava quando era adolescente? Esteve acolhida? Com a família? Havia alguma problemática que não foi identificada de forma atempada? Como é que uma jovem tão nova está nesta situação tão limite?", questiona a especialista.

"Temos que ter aqui um olhar mais sistémico e pensar a nível mais comunitário e não ter só a urgência de criminalizar ou responsabilizar", ressalva a especialista.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.