A+ / A-

Detida mulher de 22 anos suspeita de ser a mãe do bebé encontrado no lixo

08 nov, 2019 - 09:03 • Redação

É acusada de tentativa de homicídio. O menino foi abandonado junto de Santa Apolónia, em Lisboa.

A+ / A-

A Polícia Judiciária revela ter identificado e detido uma mulher, de 22 anos, suspeita de ser a mãe do recém-nascido abandonado num contentor do lixo, em Lisboa. O menino foi encontrado por um sem-abrigo na passada terça-feira, ao fim da tarde.

No comunicado enviado à redação pode ler-se que foi detida “por fortes indícios da prática de homicídio qualificado, na forma tentada, vitimando uma criança do sexo masculino”.

A jovem mulher, que foi detida esta madrugada, vai ser presente a primeiro interrogatório, no qual irá conhecer as medidas de coação.

Um recém-nascido foi encontrado na terça-feira interior de um caixote do lixo, em Lisboa, ainda com vestígios do cordão umbilical, tendo sido transportado com vida para o Hospital D. Estefânia. O responsável pela unidade de cuidados intensivos neonatais disse ser "um bebé saudável". Segundo Daniel Virella, a alta depende da decisão do Estado para o acolher, nomeadamente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ), reforçando que "clinicamente não há nada que impede de ter alta".

Após ter sido internado no polo de urgência de pediatria do Hospital Dona Estefânia, onde precisou de "cuidados quase mínimos", o recém-nascido foi transferido para a Maternidade Alfredo da Costa por "não carecer de cuidados complexos médicos e cirúrgicos".

O Presidente da República já agradeceu o "gesto cívico e humano" do sem-abrigo encontrou um recém-nascido num caixote. "Quando ele andava à procura de meios de sobrevivência salvou uma vida. Por isso é que eu falei nas desigualdades", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    08 nov, 2019 11:58
    No aborto destrói-se um ser humano, inocente, indefeso, com a cumplicidade da “mãe”, “pai”, médicos, enfermeiros, comunicação social e Estado que apoia e paga o homicídio. Se esta “mãe” tivesse abortado (matado o filho) num hospital seria “bem vista” e ainda receberia algum subsídio. Para já o filho estará salvo… mas a mãe terá prisão…Incoerências de uma lei iníqua que aprova e defende o aborto!
  • Desabafo Assim
    08 nov, 2019 10:34
    Vão-te sacrificar, já te chamam mulher quando não passas de uma jovem de vinte e dois anos, mas não temas, reconhece simplesmente as maravilhas que Deus fez por ti. Deus não te condenou nem anseia a tua morte, quem a quer são os Homens que fazem dos humanos archotes, eles são muitos, não vão chorar contigo abraçando-te, consolar-te dizendo que tudo acabou bem, (frustrado para a grande besta que enganaste dizendo que estava consumado mas também te enganaste a ti pois Deus pôs anjos no teu caminho). O grande homem da igreja foi aquele que ajudou a apedrejar um emissário de Deus até à morte e nada disso contou para Deus pois olhou para ele e escolheu-o, mesmo com os gritos de protesto da besta. Assim abre os olhos e não temas que Deus operou maravilhas na tua vida, amou-te como ninguém te amou nem amará nesta terra, Paga-Lhe porque ele te escolheu e gastou contigo.