Tempo
|
A+ / A-

PCP e Bloco querem ouvir ministro da Educação sobre falta de funcionários nas escolas

07 nov, 2019 - 18:21 • Paula Caeiro Varela com Redação

Os dois requerimentos serão votadas numa das próximas reuniões da comissão de Educação.

A+ / A-

Ainda mal tinha tomado posse a Vomissão de Educação e já o PCP estava a entregar um requerimento para ouvir o ministro Tiago Brandão Rodrigues.

Os comunistas querem esclarecimentos sobre os sucessivos relatos de falta de auxiliares de ação educativa nas escolas públicas, que estão a comprometer o funcionamento regular de estabelecimentos de ensino um pouco por todo o país.

O PCP pede também a audição na comissão parlamentar da Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais.

Para o PCP, é "urgente" reforçar o investimento e "contratar todos os trabalhadores em falta”. “Há escolas em que, mesmo cumprindo o rácio do número dos trabalhadores, não conseguem ter as condições mínimas de funcionamento com dignidade e com qualidade para os alunos, mas também para os trabalhadores”, acrescentam os comunistas.

Entretanto, o Bloco de Esquerda fez saber que também tem um requerimento para ouvir o miniistro da Educação sobre este mesmo assunto.

A deputada Joana Mortágua enumerou as escolas que, nas últimas, foram notícia por falta de funcionários, no Seixal, em Mem Martins (Sintra) ou Portimão. E afirmou que “o mecanismo anunciado pelo Governo para a substituição de funcionários não está a ser implantado”

Além do mais, argumentou, “os concursos anunciados chegaram tarde e mesmo quando estiverem todos completos não vão suprir a necessidades” das escolas. “É um problema que se agrava, que se arrasta, é o culminar de um problema que não foi resolvido”, afirmou.

Os dois requerimentos serão votadas numa das próximas reuniões da comissão de Educação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.