|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

Salário mínimo é dos mais baixos da UE. Luxemburgo paga 2.071 euros, Portugal 600

06 nov, 2019 - 06:59 • Lusa

Governo e parceiros sociais começam hoje discussão sobre salário mínimo.

A+ / A-

Portugal continua a ter um dos salários mínimos mais baixos da União Europeia, apesar das atualizações dos últimos quatro anos, que elevaram a remuneração mínima em quase 19% em termos nominais.

Entre os 22 países europeus que atualizaram o salário mínimo em 2019 por via legislativa, Portugal surge na 12.ª posição, segundo um estudo realizado pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, apresentado recentemente, por ocasião dos 45 anos do salário mínimo.

O salário mínimo em Portugal aumentou nos últimos quatro anos dos 505 euros, em 2016, para 600 euros em 2019, um aumento nominal de quase 19% e real (descontando a inflação) de 14%.

Para esta quarta-feira está marcada a primeira reunião da Concertação Social, em Lisboa, sobre a atualização do salário mínimo em 2020, com o novo Governo de António Costa a definir como meta atingir os 750 euros em 2023.

Segundo o estudo, Portugal encontra-se "entre os países com o salário mínimo mais baixo quer da UE quer da Área do Euro" e "os recentes aumentos do salário mínimo em Portugal não alteram a sua posição relativa" no ranking europeu.

De acordo com a tabela que apresenta valores nominais e ajustados a valores mensais (a 12 meses) e tendo em conta as diversas regras nos Estados-membros, o Luxemburgo está no topo, com um salário mínimo de 2.071,10 euros por mês, ou seja, quase o triplo do português.

Em segundo lugar surge o Reino Unido com um salário mínimo de 1.746,7 euros. Com valores acima dos 1.500 euros estão ainda a Irlanda, a Holanda, a Bélgica, a Alemanha e França.

Portugal encontra-se ainda abaixo de Espanha (1.050 euros), Eslovénia (886,6 euros), Malta (762 euros) e Grécia (758,3 euros).

Com valores inferiores ao do salário mínimo português estão países como a Lituânia (555 euros), a Estónia (540 euros), a Polónia (523,1 euros), sendo a Bulgária aquele que tem o mais baixo dos 22 países, com 286,3 euros por mês.

Dos 28 Estados-membros, 22 atualizaram o salário mínimo em 2019 por via legislativa ou por acordo intersetorial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    06 nov, 2019 évora 19:24
    E , esse valor não aparece por acaso , feitas as contas aos apoios do Estado e da União Europeia todos os anos a mais de 90 % das empresas que pagam 600 euros , devo dizer que o trabalhador sai a Custo Zero às empresas , ou melhor dizer , quem paga o salário mínimo hoje são todos os outros menos os patrões , feitos com Contabilistas e Advogados , pagam o menor imposto possível e necessário ao Estado ... muitos nem pagam impostos , são isentos devido ao tipo de atividade . Se aumentarem os apoios dessas empresas para o dobro , podem querer que logo não se importavam que o salário fosse 1200 euros . As contas estão calibradas ...