Tempo
|
A+ / A-

Bruxelas prevê crescimento de 2% em 2019 e 1,7% em 2020

07 nov, 2019 - 10:06 • Redação com Lusa

A Comissão Europeia está mais otimista do que o Governo, em relação às perspetivas de crescimento da economia portuguesa, para este ano.

A+ / A-

A Comissão Europeia divulgou esta quinta-feira as previsões económicas de outono. Melhorou em três décimas a previsão de crescimento de Portugal para 2% este ano, uma décima acima do esperado pelo Governo, e manteve a anterior previsão de 1,7% em 2020.

O executivo comunitário estima que o Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal cresça 2% este ano, acima da anterior estimativa de 1,7% divulgada em julho e uma décima acima da previsão do Governo.

Já para 2020, a Comissão Europeia manteve em 1,7% a previsão para o crescimento da economia portuguesa, abaixo do antecipado pelo executivo português.

No Projeto de Plano Orçamental enviado para Bruxelas em 15 de outubro, o Governo estimou que a economia portuguesa desacelere de um crescimento de 2,4% em 2018, para um crescimento de 1,9% em 2019 e volte a acelerar para um crescimento de 2% no próximo ano.

Nestas previsões, Bruxelas colocou-se em linha com as previsões do Governo para o défice este ano, estimando uma redução para 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) (face ao défice de 0,4% registado em 2018), quando nas previsões de primavera, em maio, antecipava um défice de 0,4%.

Também para 2020, o executivo comunitário melhorou para “défice zero” (0% do PIB) a estimativa para o saldo orçamental, face ao défice de 0,1% estimado em maio.

“Prevê-se que o défice das administrações públicas diminua para 0,1% do PIB em 2019, apoiado por receitas cíclicas ainda dinâmicas, redução das despesas com juros e um investimento público abaixo do orçamentado”, indica a Comissão no documento.

“No entanto, [o défice] é negativamente afetado por uma nova ativação do mecanismo de capital contingente do Novo Banco (0,6% do PIB)”, acrescenta o executivo comunitário, adiantando que, “excluindo esta e outras medidas extraordinárias, o saldo orçamental deve atingir um excedente de 0,5% do PIB” este ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Joaquim Cruz Pinto
    07 nov, 2019 Ílhavo 10:55
    Ah! E isto combinado com a previsão de menos crescimento no conjunto dos outros países da zona Euro! Que dizer também dos"doutores da desgraça" portugueses? Bom, do histórico, poderemos talvez antecipar que se enganem todos de novo quanto a 2020.
  • José Joaquim Cruz Pinto
    07 nov, 2019 Ílhavo 10:32
    Que forma mais esquisita de não reconhecer que se enganaram! Não só se enganaram - como praticamente sempre que tentaram "adivinhar" - como, a continuarem como dantes, se enganarão no futuro. E, com isto, nem o País e o Governo verão reconhecido qualquer mérito, nem os "doutos" economistas que fazem as previsões se convencerão que a sua "ciência" é tudo menos exacta.