|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Eleições no Reino Unido

Se conseguir maioria absoluta, Boris vai "pôr o Parlamento a funcionar outra vez"

06 nov, 2019 - 15:27 • Lusa com Redação

O primeiro-ministro britânico prometeu igualmente concluir o Brexit até janeiro. Esta quarta-feira, Boris Johnson comparou ainda o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, a Stalin.

A+ / A-

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, deu início à campanha do Partido Conservador para as eleições legislativas de 12 de dezembro, acusando a oposição de bloquear o Brexit e prometeu concluir o processo até janeiro.

"Não quero eleições antecipadas, e ninguém deseja ter eleições em dezembro, mas chegámos a uma altura em que tivemos de fazer uma escolha", afirmou junto à residência oficial, em Downing Street, após ter visitado a rainha Isabel II no palácio de Buckingham para informá-la da dissolução, hoje, do parlamento.

O líder do partido Conservador queixou-se de que os deputados "rejeitaram vezes consecutivas concretizar o ‘Brexit' e honrar o resultado do referendo [de 2016]" e prometeu: "Se conseguir uma maioria absoluta, vou pôr o Parlamento a funcionar outra vez".

O Reino Unido tinha previsto sair da União Europeia a 31 de outubro, mas acabou por aceitar um novo prolongamento até 31 de janeiro.

As eleições legislativas são vistas como uma forma de romper o impasse no parlamento, que chumbou três vezes um acordo negociado por Theresa May e recusou aprovar em três dias o acordo negociado por Boris Johnson, inviabilizando assim a saída no final de outubro.

Apesar de as eleições terem sido aprovadas pelo Parlamento, a dissolução precisou de ser formalizada pela rainha, iniciando formalmente o período de cinco semanas de campanha eleitoral.

Johnson já tinha aberto as hostilidades esta manhã, ao escrever um artigo que foi publicado no Daily Telegraph, o jornal conservador onde trabalhou durante anos enquanto cronista, em que compara o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, ao antigo secretário-geral do partido Comunista da União Soviética Josef Stalin.

Porém, hoje também sofreu um contratempo com a demissão do ministro para o País de Gales, Alun Cairns, por este alegadamente ter mentido quando disse que desconhecia que um colaborador tinha sido responsável pelo fim de um julgamento sobre uma violação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.