A+ / A-
Web Summit 2019

​Fazer 300 quilómetros em uma hora num carro elétrico voador? Pode ser possível já em 2025

06 nov, 2019 - 18:25 • Cristina Nascimento

Empresa Lilium Aviation diz que custo de 100 quilómetros numa destas viaturas é de 6,20 euros, contra nove euros de carro elétrico e 108 euros de helicóptero.

A+ / A-

É o cenário de muitos milhares de portugueses. Passam uma hora no carro de casa para o trabalho e do trabalho para casa, muitas vezes percorrendo distâncias de pouco mais de 30, 40 ou 50 quilómetros.

Agora imagine que demora à mesma uma hora a chegar ao trabalho, mas vem de sua casa não no meio da cidade, mas no campo, na sua terra de origem ou mais junto ao mar. Meio de transporte: um carro voador elétrico com autonomia para 300 quilómetros que o transporta a uma velocidade de 300 quilómetros por hora.

Foi este o cenário que a empresa Lilium Aviation projetou no palco central da Web Summit esta quarta-feira, dizendo que poderá ser uma realidade já em 2025.

“Temos de redesenhar a Terra para 10 mil milhões de pessoas viverem de forma sustentável em 2050”, foi a meta traçada por Daniel Wiegan, presidente executivo da empresa, acrescentando que, com este tipo de viaturas, será possível “combinar o estilo de vida urbano e rural”.

O projeto começou a ser desenvolvido em 2015, ano em que a empresa foi criada e que, quatro anos depois, emprega 400 pessoas.

O Lilium Jet é uma espécie de helicóptero sem pás, com capacidade para cinco pessoas e com tecnologia que permite voos na vertical. De acordo com a empresa, o objetivo é que estas viaturas possam já andar pelos ares em 2025.

E se está a pensar nos custos, eis a estimativa feita pela empresa: se fazer 100 quilómetros de helicóptero custa cerca de 108 euros e de carro elétrico custa nove euros, numa destas viaturas o custo baixa para 6,20 euros, garante Daniel Wiegan.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.