|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Microsoft testou semana de quatro dias e produtividade disparou 40%

04 nov, 2019 - 23:22 • Redação

Durante um mês, a Microsoft Japão deu cinco sextas-feiras de folga aos seus 2.300 funcionários, sem reduzir as remunerações. Os resultados foram positivos a vários níveis.

A+ / A-

A Microsoft testou a implementação da semana de trabalho de quatro dias nos seus escritórios no Japão e os resultados foram positivos a todos os níveis: funcionários mais felizes e um aumento substancial da produtividade.

A experiência denominada “Work-Life Choice Challenge Summer 2019” aconteceu em agosto e os resultados foram agora conhecidos.

Durante um mês, a Microsoft Japão deu cinco sextas-feiras de folga aos seus 2.300 funcionários, sem reduzir as remunerações.

A semana de trabalho mais curta fez disparar a produtividade em 40%, com reuniões mais eficazes e trabalhadores a necessitarem de fazer menos pausas (25%).

Com menos um dia de trabalho, a empresa também reduziu o consumo de eletricidade em 23% e os funcionários imprimiram menos 59% de páginas de papel.

Segundo as conclusões do teste, 92% dos funcionários aprovaram a semana de trabalho de quatro dias.

Ao abrigo deste programa, a Microsoft Japão tenciona dar cerca de 820 euros para os seus funcionários gastarem durante as férias.

“Trabalhar menos tempo, descansar bem e aprender muito. Querem que os trabalhadores reflitam e experienciem como podem alcançar os mesmos resultados com menos 20% de tempo de trabalho”, defende Takuya Hirano, presidente do ramo japonês da gigante tecnológica.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.