Tempo
|
A+ / A-

Debate em Espanha. Sánchez propõe pacto para acabar com bloqueio político e quer penalizar referendos ilegais

04 nov, 2019 - 22:28 • Redação com Lusa

No único debate para as eleições do próximo domingo, o primeiro-ministro espanhol propôs um pacto entre os partidos para permitirem que o partido mais votado governe em minoria.

A+ / A-

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, propôs esta segunda-feira no início do debate televisivo entre os principais candidatos às legislativas do próximo domingo um pacto entre os partidos para permitirem que o partido mais votado governe em minoria.

"Temos de acabar com o bloqueio político. Proponho, se se mantiver o bloqueio, que se respeite a governação da lista mais votada", propôs Pedro Sánchez, líder do PSOE, aos outros quatro líderes partidários presentes no debate: Pablo Casado (PP, direita), Albert Rivera (Cidadãos, direita liberal), Pablo Iglesias (Unidas Podemos, extrema-esquerda) e Santiago Abascal (Vox, extrema-direita).

Por seu lado, o candidato do PP advertiu que, embora haja cinco líderes no debate eleitoral, na realidade existem apenas "duas possibilidades" de formar um governo, o seu próprio partido e o PSOE, insistindo na necessidade de votar naquele que saberá como formar "um governo real".

Os estudos de opinião publicados nos últimos dias dão a vitória ao PSOE, mas a perder força em relação às eleições de 28 de abril último, com o bloco de partidos de direita ligeiramente à frente dos de esquerda, sem que nenhum deles possa, aparentemente, desbloquear o impasse político que se vive no país.

A maior variação de votos é feita entre os partidos de direita, com o Cidadãos a perder uma parte substancial dos seus apoios a favor do PP e do Vox.

Os cinco candidatos esperam que o debate de hoje possa convencer a votar no seu partido a maior parte possível dos 30% de espanhóis que as sondagens indicam ainda estarem indecisos a menos de uma semana das eleições.

Sánchez quer penalizar legalmente referendos nas regiões autónomas

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, propôs a proibição de referendos nas regiões autónomas, referindo-se à situação na Catalunha que considera ser uma crise de convivência.

No único debate entre os líderes dos cinco principais partidos políticos espanhóis, o presidente do executivo, em funções, disse que o partido, se vencer as eleições de domingo, vai propor a alteração do Código Penal no sentido de proibir os referendos nas regiões autónomas.

Pedro Sánchez considera que a crise na Catalunha é de "convivência e não é uma crise de independência", e apresenta três medidas a aplicar no futuro, como a proibição da realização de referendos (ilegais), e a adoção de uma disciplina no currículo escolar sobre valores civis e valores éticos.

Outra das medidas propostas pelo líder do PSOE e presidente do governo em funções diz respeito às televisões locais ("entidades audiovisuais") que, segundo Sánchez, devem ser aprovadas por dois terços dos parlamentos autonómicos para evitar a manipulação da informação.

Em resposta, Pablo Casado e o líder do Vox, Santiago Abascal, recordaram que foi o antigo primeiro-ministro socialista José Rodríguez Zapatero quem eliminou a lei que "penalizava a realização de referendos".

O dirigente do partido Ciudadanos, o catalão Albert Ribera, exibiu um bloco de cimento para se referir aos confrontos na Catalunha.

"Isto não é um pedaço do Muro de Berlim, é um bloco lançado às autoridades em Barcelona", disse, responsabilizando o PSOE e o PP pela situação de violência na Catalunha.

As eleições legislativas em Espanha estão marcadas para domingo, 10 de novembro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.