Tempo
|
A+ / A-

Garcia de Orta. Jovem com epilepsia demorou três horas a chegar a Lisboa

01 nov, 2019 - 15:08 • José Carlos Silva , redação

A urgência pediátrica do Garcia de Orta, em Almada, vai estar fechada todos os fins de semana até 18 de novembro. A Renascença encontrou um dos doentes encaminhados para Lisboa.

A+ / A-

Veja também:


Ana Martins teve de levar a filha da margem Sul do Tejo para Lisboa. A jovem tinha tido um ataque de epilepsia durante a madrugada.

“Era uma urgência e mesmo assim não a atenderam, mandaram-me para aqui”, diz à Renascença. “Aqui” é o hospital D. Estefânia, um dos que está a receber as urgências pediátricas do hospital Garcia de Orta, em Almada.

Nesta sexta-feira, o Serviço de Urgência Pediátrica encerrou às 9h00, só reabrindo às 8h30 da próxima segunda-feira, dia 4 de novembro.

Ana Martins dirigiu-se ao hospital D. Estefânia, no centro de Lisboa. Mas, porque decorria uma corrida por algumas artérias da capital, demorou cerca de duas horas a chegar.

“Foi dificílimo chegar aqui. Está tudo cortado, estradas cortadas...”, lamentava.

Contas feitas, entre sair da casa, ir ao Garcia de Orta e depois para o D. Estefânia, esta mãe, com a filha doente, demoraram perto de três horas.

Na quinta-feira, o Conselho de Administração do Hospital Garcia de Orta anunciou que vai manter o modelo de encerramento da urgência pediátrica aos fins de semana, das 20h00 de sexta-feira às 8h30 de segunda-feira, até 18 de novembro.

Em alternativa, os utentes podem dirigir-se ao Centro de Saúde Rainha D. Leonor em Almada ou ao Centro de Saúde da Amora, no concelho do Seixal, entre as 10h00 e as 17h00.

Nos casos mais urgentes, devem recorrer aos hospitais de Lisboa Santa Maria ou D. Estefânia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joao Manuel
    01 nov, 2019 Lisboa 19:13
    Se era uma urgência porque não chamou uma ambulância? Seguramente teria perdido menos tempo no caminho para o D. Estefânia...
  • ANTONIO FERREIRA
    01 nov, 2019 18:47
    Convinha saber quais os responsáveis por quartar o acesso URGENTE a um Hospital, ainda por cima Infantil e puni-los severamente. O Desporto nãp pode interferir com acessos indispensáveis. SEVERA PUNIÇÃO PARA OS IRRESPONSÁVEIS.