|
A+ / A-

Vila Nova de Cerveira destruiu 135 ninhos de vespa asiática desde o início do ano

31 out, 2019 - 17:36 • Agência Lusa

Operação resultou de uma candidatura ao fundo de apoio criado pelo Governo para combater esta espécie exótica, com financiamento do Fundo Florestal Permanente.

A+ / A-

O serviço de Proteção Civil de Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, através da equipa de sapadores florestais, destruiu entre janeiro e outubro 135 ninhos de vespa asiática, informou esta quinta-feira a Câmara Municipal local.

Em comunicado, o município adiantou que a destruição daqueles ninhos "resultou de uma candidatura apresentada pela Câmara ao fundo de apoio criado pelo Governo para combater esta espécie exótica, com financiamento do Fundo Florestal Permanente".

"Os meses de setembro e outubro foram aqueles em que o serviço municipal de Proteção Civil da Vila Nova de Cerveira registou uma maior incidência de ninhos de vespa velutina, resultado da queda das folhas de árvores que facilitou a visibilidade e a localização. A maioria das ocorrências verificadas tem sido nas freguesias de Covas, Cornes, Campos e Sapardos", especifica a nota da autarquia.

Segundo a Câmara liderada por Fernando Nogueira, "o aumento dos casos reportados no concelho é fruto da consciencialização e colaboração ativa da população, peça-chave na procura de ninhos e na denúncia ao serviço municipal de proteção civil que, no imediato, avança com o processo de destruição recorrendo à equipa de sapadores florestais".

Em fevereiro, o Governo criou um fundo de apoio para o combate à vespa asiática, através da destruição de ninhos, a ser usado pelas autarquias. Até ao momento, mais de 130 câmaras municipais já formalizaram e viram aprovadas as respetivas candidaturas.

No distrito de Viana do Castelo, a capital apresenta o maior número de casos de ninhos daquela espécie predadora, sendo que, de acordo com dados avançados à Lusa em setembro pela Companhia de Bombeiros Sapadores de Viana do Castelo, desde o início deste ano, aquela corporação destruiu 263 ninhos.

A espécie foi introduzida na Europa através do porto de Bordéus, em França, em 2004. Os primeiros indícios da sua presença em Portugal surgiram em 2011, mas a situação só se agravou a partir do final do ano seguinte.

De acordo com o comandante dos bombeiros de Viana, António Cruz, desde 2012, foram destruídos 2.554 ninhos de vespa asiática, num esforço municipal de "muitas dezenas de milhares de euros”.

António Cruz, referiu que aquele número é o que consta da plataforma criada, em 2012, pela corporação da capital do Alto Minho, admitindo poder ser "muito superior".

O responsável lamentou que, há oito anos, quando "apareceu um fenómeno completamente desconhecido", o concelho tenha enfrentado "completamente sozinho" o seu combate.

A vespa velutina é uma espécie asiática com uma área de distribuição natural pelas regiões tropicais e subtropicais do Norte da Índia ao leste da China, Indochina e ao arquipélago da Indonésia, sendo a sua existência reportada desde 2011 no distrito de Viana do Castelo.

Os principais efeitos da presença desta espécie não indígena manifestam-se não só na apicultura, por se tratar de uma espécie carnívora e predadora das abelhas, mas também para a saúde pública, porque, embora não sendo mais agressivas do que a espécie europeia, reagem de modo mais agressivo se sentirem os ninhos ameaçados, podendo fazer perseguições até algumas centenas de metros.

A destruição ocorre sempre quando cai a noite, período em que as vespas fundadoras estão no interior das colmeias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.