|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​Razões de uma crise

22 out, 2019 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Sporting e as claques. Violência no desporto. "Como entender o silêncio de Rodrigo Cavaleiro, presidente da Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto, e do secretário de estado do desporto, que tão impante aparece nos aeroportos à espera de atletas medalhados? Perante tudo o que se tem visto onde têm estado a polícia e a justiça?

Para muitos, talvez até a grande maioria, a crise em que o Sporting Clube de Portugal se encontra mergulhado há algum tempo tem uma razão primeira: os resultados da equipa de futebol têm-se constituído num autêntico fracasso, a época ainda em fase temporã, está praticamente perdida, os objetivos a conquistar estão claramente fora do horizonte.

Resta o campeonato, mas também este sem ambições, e apenas com a preocupação de não vir a acontecer a pior classificação de sempre, o que não parece de todo improvável.

A partir deste dado real segue-se todo um rol de motivos que passam por cenários diversos: a pouco clara condução do clube, assente sobretudo numa confrangedora incapacidade de comunicar para o exterior e para dentro, o mau relacionamento entre aqueles que deveriam ser parceiros mas mais parecem inimigos, decisões quase sempre difíceis de perceber, e ainda escolhas resultantes de opções que têm acabado por se revelar ineficazes.

E, como se tudo isto não bastasse, o fervilhar das alcateias circundantes, alimentadas por ódios de origem fica à vista todos os dias, e cujo mentor tem nome bem conhecido.

O que fazem as claques? Ajudam, apoiam, transmitem sentimentos de confiança? Nada disso. Ao contrário, atiram para a arena os archotes que lhes encomendam, procuram incendiar e destruir tudo o que lhes possa aparecer pela frente.

Foi a isto que a direção de Frederico Varandas procurou responder com energia, mas sabendo certamente que há sempre a possibilidade de um ricochete. Seria um erro não atuar desta maneira, face a vandalismos insuportáveis que ameaçam atirar o clube para um precipício de difícil regresso.

Face a tudo isto como entender o silêncio de Rodrigo Cavaleiro, presidente da pomposamente designada Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto, e de sua excelência o secretário de estado do desporto, que tão impante aparece nos aeroportos à espera de atletas medalhados? É verdade: perante tudo o que se tem visto (as imagens não mentem) onde têm estado a polícia e a justiça? Ou será que entendem todos que após o "affaire" Alcochete a sua missão está terminada?

Na Grécia, ainda há não muito tempo, o então governo do Syrisa mandou fechar as portas do futebol, quando sentiu que os desmandos das claques estavam a ir muito além do aceitável.

Por cá, neste cantinho à beira-mar plantado… "no pasa nada".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.