|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Pastoral Social

D. José Traquina pede que se denunciem todas as situações de exploração e escravidão

22 out, 2019 - 08:14 • Redação

O 33.º encontro nacional arranca esta terça-feira, em Fátima, com o tema "trazer as periferias para o centro".

A+ / A-

O Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social está preocupado com a crescente entrada de imigrantes asiáticos no país e pede aos cidadãos que denunciem todas as situações de exploração e escravidão de que tenham conhecimento ou suspeito.

Em declarações à Renascença, a propósito do encontro que começa esta terça-terça em Fátima, D. José Traquina defendeu ainda a necessidade de mais fiscalização.

“Sabemos que há fiscalização e tem de haver. Não apenas em relação aos povos migrantes, no sentido se estão numa proteção e de legalização, mas fiscalização no sentido da proteção para não serem explorados”, sublinhou.

“Sabendo que Portugal é um sítio onde essas coisas acontecem não podemos de deixar de denunciar. Todas as pessoas que souberem desses casos que os denunciem”, apelou.

A problemática dos refugiados vai ser um dos temas em debate no encentro, onde também se falará do sínodo da Amazónia e dos sem-abrigo.

A provedora de Justiça Maria Lúcia Amaral, o Cardeal-Patriarca de Lisboa e o professor da Universidade Católica Juan Ambrósio serão alguns dos conferencistas deste encontro, que será um dos destaques da programação da Renascença, esta terça-feira à tarde.

O 33.º encontro nacional da Pastoral Social arranca esta terça-feira, em Fátima, com o mote "trazer as periferias para o centro", e decorre até dia 24 de outubro.

Veja o programa completo aqui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.