|
A+ / A-

PSP deteve professor que terá agredido aluno em Lisboa

21 out, 2019 - 20:08 • Lusa

Docente terá agarrado jovem de 13 anos, que usava um telemóvel na aula, pelo pescoço, atirando-lhe a cabeça contra uma das mesas. De acordo com o Ministério da Educação, já está suspenso e é alvo de um processo disciplinar.

A+ / A-

O professor que alegadamente agrediu esta segunda-feira um aluno na Escola Secundária Rainha Dona Leonor, em Lisboa, e está já suspenso do exercício de funções, foi detido pela PSP, disse à Lusa fonte do Comando Metropolitano.

Segundo avançou a RTP, o professor será ouvido na terça-feira por um juiz de instrução criminal.

O "Expresso" revelou ainda que, segundo fonte da PSP contactada pelo semanário, o docente está indiciado pelos crimes de ofensa à integridade física e maus tratos a menor.

Durante a tarde, o Ministério da Educação já tinha anunciado que foi instaurado um processo disciplinar ao professor que alegadamente agrediu um aluno na Escola Secundária Rainha Dona Leonor, tendo sido suspenso do exercício de funções de imediato.

"Foi instaurado um processo disciplinar a este professor contratado, que foi de imediato suspenso do exercício de funções em todos os estabelecimentos de ensino onde lecionava", escreveu o Ministério da Educação, numa nota enviada à agência Lusa.

De acordo com a revista digital MAGG, um aluno do 8.º ano terá sido agredido "violentamente" pelo professor de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), numa sala de aula, esta segunda-feira de manhã.

A publicação 'online' sustenta que "o incidente ocorreu por volta das 10h55 quando a aula ia sensivelmente a meio, e enquanto os alunos se iam apresentando ao professor, que estava a dar a sua segunda aula nesta escola, como substituto da professora titular da disciplina, que se encontra com baixas sucessivas por estar a amamentar".

A MAGG acrescenta ainda que o "professor agarrou o aluno, de 13 anos, pelo pescoço, e atirou-lhe a cabeça contra uma das mesas", porque o estudante não terá largado o telemóvel.

Contactado pela Lusa, durante a tarde, o estabelecimento de ensino não quis prestar declarações.

Segundo o artigo 117.º do capítulo XI, Regime Disciplinar, do Estatuto da Carreira Docente, o professor arrisca-se a uma pena de expulsão da escola por não pertencer aos quadros.

O caso está entregue às autoridades e o Ministério da Educação já disponibilizou todo o apoio necessário à comunidade educativa.

[Notícia atualizada às 20h30]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Professor
    22 out, 2019 5 de Outubro 16:41
    Começou a diminuir a diferença: é que actualmente o placard de agressões está francamente desequilibrado a favor dos alunos/encarregados de "educação". Este professor, veio diminuir a diferença. De resto não acredito que as coisas tenham sido tão simples como a notícia quer fazer crer. Há algo mais que não nos estão a contar.
  • F. Carrasquinho
    22 out, 2019 Alemanha 13:38
    Fiquei arrepiado com esta noticia, enfim a' justica nas escolas Portuguesas, o que eu passei nos anos 67 a 71 na escola em Portugal nao preciso de descrever aqui, a noticia em cima chega.