A+ / A-

Portugueses presos em gruta espanhola saíram pelo próprio pé

21 out, 2019 - 16:11 • Lusa

Grupo de espeleólogos estava retido desde sábado. Estão bem, mas "muito cansados".

A+ / A-

Os quatro espeleólogos portugueses que ficaram retidos numa gruta no norte de Espanha desde sábado saíram esta tarde pelo seu próprio pé, ainda que cansados, depois de localizados por uma equipa de resgate, adiantou a EFE.

Os quatro portugueses foram surpreendidos por chuvas intensas, tendo ficado bloqueados pela subida das águas no interior de uma das grutas de Cueto-Coventosa, na região da Cantábria, norte de Espanha.

Um dos espeleólogos, Afonso Costa, explicou aos jornalistas que a zona onde se encontravam ficou bloqueada pela água e não tiveram outra alternativa que não fosse esperar "o tempo necessário" para que baixasse.

Afonso Costa disse que o grupo tinha estudado a meteorologia para aqueles dias naquela zona e que não esperava "tanta água".

O espeleólogo sublinhou que sabiam que seria lançada uma operação de resgate e mostrou-se convicto de que poderiam ter saído da gruta pelo seu próprio pé e sem ajuda.

"Não havia problema, estávamos preparados", disse Afonso Costa.

A única preocupação dos espeleólogos enquanto estiveram na gruta foi com as suas famílias, as quais contactaram assim que saíram. Consigo tinham mantimentos para mais três dias.

Os quatro portugueses chegaram à entrada da gruta cerca das 18h locais (17h em Portugal), tendo sido localizados quatro horas antes, depois de se ter iniciado uma busca na noite de domingo.

Cerca das 22h00 locais de domingo, uma equipa de socorro entrou no interior da gruta, pela entrada de Coventosa, ainda que apenas tenha conseguido avançar cerca de 50 metros, devido à força das águas.

Durante toda a noite permaneceram na gruta duas equipas, às quais se juntou uma terceira esta manhã para trabalhos de resgate, nos quais participaram 40 pessoas, entre espeleólogos, agentes da Guardia Civil e elementos da Proteção Civil.

Os quatro portugueses, que fazem parte de um grupo de sete espeleólogos do Clube de Montanhismo Alto Relevo de Valongo, região do Porto, ficaram retidos pela água no fim-de-semana numa das grutas de Cueto-Coventosa, no norte de Espanha.

Assim que os portugueses foram encontrados, entrou na gruta uma médica da equipa de socorristas para confirmar o seu estado de saúde.

A conselheira da Presidência, Interior, Justiça e Ação Externa sublinhou o "extraordinário" profissionalismo das equipas de resgate e a coordenação "excecional" entre todos os corpos que participaram na busca, sempre acompanhada pelas autoridades portuguesas, que estiveram em contacto com o Governo da Cantábria através do cônsul em Espanha.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.