A+ / A-

Exportações de componentes automóveis batem recorde em Portugal

18 out, 2019 - 15:01 • Sandra Afonso

Espanha e Alemanha são os principais destinos. Vendas para o Reino Unido, afetadas pelo Brexit, estão em queda desde 2017.

A+ / A-

Nos primeiros oito meses de 2019,, as exportações de componentes automóveis feitos em Portugal chegaram aos 5,6 mil milhões de euros, um valor recorde. Pelo contrário, o mercado britânico está em queda.

Segundo a Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA), até agosto registou-se um crescimento de 2,4%. Em comparação com 2010, a subida é de mais de 70%.

Ainda de acordo com a AFIA, que se baseia em dados do comércio internacional do Instituto Nacional de Estatística, os componentes automóveis representam mais de 14% das exportações portuguesas de bens transacionáveis.

Espanha e Alemanha são os principais destinos, seguidos de perto por França e Inglaterra, quatro países que representam 70% do total das exportações.

No entanto, as vendas para o mercado britânico estão em queda desde 2017 e rondam neste momento os 500 milhões de euros. Este valor representa uma descida de quase 14%, entre janeiro e agosto deste ano, face a 2018.

O Brexit tem afetado, por antecipação, esta indústria e, segundo a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), existem 26 empresas em Portugal de componentes que só exportam para o Reino Unido.

Os restantes 30% do total das exportações estão distribuídos por outros países europeus e fora do continente, como os Estados Unidos, Marrocos, China, México e Turquia.

No boletim económico de outubro, o Banco de Portugal assinalou que a produção automóvel disparou no país desde 2017, com reflexos nas exportações. No entanto, mais de dois terços (70%) do que é vendido ao exterior tem primeiro de ser importado.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.