|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Papa denuncia paradoxo do desperdício alimentar num mundo com fome

16 out, 2019 - 16:21 • Ecclesia

“O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, escreve Francisco ao diretor-geral da FAO

A+ / A-

O Papa Francisco assinalou esta quarta-feira o Dia Mundial da Alimentação com uma mensagem ao diretor-geral da FAO, na qual denuncia o paradoxo do desperdício alimentar num mundo em que ainda existe fome.

“É cruel, injusto e paradoxal que hoje haja alimento para todos e que nem todos tenham acesso a eles ou que existam regiões do mundo em que o alimento é desperdiçado, deitado fora, consumido em excesso ou que a comida seja destinada a outros propósitos que não são alimentares”, escreve o pontífice, num texto divulgado pelo Vaticano.

Francisco liga a fome e a desnutrição a uma “lógica do mercado”, em que apenas se “procura o lucro a todo custo”, considerando a comida como “mero produto do comércio, sujeito a especulações financeiras e distorcendo o seu valor cultural, social e social, marcadamente simbólico”.

“Não nos podemos esquecer de que o que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, refere, no texto endereçado a Qu Dongyu, diretor-geral do organismo das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

O tema proposto este ano pela FAO é “As nossas ações são o nosso futuro. Alimentação saudável para um mundo #fomezero”.

O Papa sublinha que no mundo atual há 820 milhões de pessoas com fome e também quase 700 milhões de excesso de peso, “vítimas de hábitos alimentares desadequados”.

“Os distúrbios alimentares só podem ser combatidos através do cultivo de estilos de vida inspirados numa visão grata do que nos é dado, procurando temperança, moderação, abstinência, autocontrolo e solidariedade”, pode ler-se.

A mensagem elogia ainda a prioridade dada à “proteção da família rural e à promoção da agricultura familiar”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.