A+ / A-

Incêndios de 2017. Mais de 200 casas excluídas do processo de reconstrução

15 out, 2019 - 09:34 • Redação

A denúncia foi feita à Renascença pelo Movimento de Apoio às Vítimas dos Incêndios.

A+ / A-

Veja também:


Dois anos depois dos incêndios na zona centro do país, mais de 200 casas de primeira habitação continuam excluídas do processo de reconstrução.

Apesar de as obras estarem licenciadas, as habitações foram chumbadas pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) e pelas câmaras municipais envolvidas, revela à Renascença Nuno Tavares Pereira, do Movimento de Apoio às Vítimas dos Incêndios.

“Que eu tenha conhecimento, mais de 200 habitações de primeira habitação, que estavam dentro da lei, foram chumbadas pela CCDR juntamente com as câmaras”, explica.

“O que me revolta é isso mesmo, são as pessoas que estão sem casa, crianças que estão sem casa, idosos que foram colocados no lar, que estão sem casa e que nunca vão ter casa. Isso é que nos preocupa”.

As declarações desmentem os números oficiais da CCDR. A presidente Ana Abrunhosa disse à Renascença que são 30 as casas ainda por concluir, das 822 que ficaram destruídas, acrescentando que a maioria ficará pronta ainda este ano.

“Neste momento, 96,5% das habitações estão concluídas e entregues às famílias. Destas 30 habitações, a maioria acaba no final do ano de 2019, mas haverá algumas habitações que passarão para 2020, porque estamos a falar de reconstruções totais”.

Cerca de 1.500 casas foram destruídas parcial ou totalmente pelas chamas que atingiram também centenas de empresas.

Os fogos de Outubro de 2017 causaram 50 vítimas mortais e 70 feridos.

As chamas consumiram 290 mil hectares de floresta e só no dia 15 estavam ativos 440 incêndios em Portugal.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FURACAS
    19 out, 2019 ANA 07:29
    Por favor me ajudem a publicarem e a falarem do meu caso dos incêndios do 15/10/2017 sou uma das vítimas das 200 casas que foram adjudicadas e um ano depois no 18/09/2018 me foi retiradas pour ANA Abrunhosa lhe deu ba cabeça pour minha casa fica muito cara e ela preferiu ficar com o dinheirinho que era para a reconstrução da minha Moradia onde os empreiteiros contratados pelo estado ja tem metade do dinheiro 💰 me ajudem vivo numa roulote que minha irmã me emprestou .