Tempo
|
A+ / A-

Sindicato adverte para encerramentos mais frequentes de urgências em lisboa

14 out, 2019 - 20:15

A justificação para o problema segundo o Sindicato Independente dos Médicos é "a falta alta de médicos e a insensibilidade do Governo".

A+ / A-

O Sindicato Independente dos Médicos advertiu esta segunda-feira que o encerramento das urgências de alguns hospitais da Grande Lisboa poderá tornar-se mais frequente "devido à falta de médicos e à insensibilidade do Governo" para o problema.

"A urgência do serviço de pediatra do Hospital Garcia de Orta, que vai voltar a encerrar esta noite por insuficiência de médicos pediatras para cumprir a escala noturna, é apenas um exemplo de várias situações semelhantes que se verificam em diversas especialidades de alguns hospitais da Grande Lisboa", disse o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos, Roque da Cunha.

"Não se pode exigir mais trabalho aos médicos muitos deles com mais de 55 anos que ultrapassam em muito as 150 horas extraordinárias obrigatórias. A título de exemplo, posso dizer que no Hospital de Santa Maria há pelo menos um médico que este ano já fez mais de 600 horas extraordinárias este ano quando não deveriam ultrapassar as 150 horas extraordinárias por ano", disse referindo ainda outros dois casos, de um médico que em três semanas do passado mês de setembro, fez mais de 60 horas extraordinárias, e de um outro, na Anestesia do Hospital da Estefânia, que, em 15 dias fez 58 horas extraordinárias.

Roque da Cunha falava pouco depois de o Conselho de Administração do Hospital Garcia de Orta, em Almada, ter anunciado o encerramento da urgência pediátrica durante a noite de segunda para terça-feira, por "insuficiência de médicos pediatras para cumprir a escala noturna", tal como já tinha acontecido no último sábado.

Segundo o secretário-geral do SIM, as situações de contingência que determinaram, mais uma vez, o encerramento da urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta, também podem ocorrer, cada vez mais com mais frequência, devido à falta de médicos, e à sobrecarga de trabalho dos que estão ao serviço, nas especialidades de Ginecologia dos Hospitais Garcia de Orta, Santa Maria e Maternidade Alfredo Costa (MAC), e de Anestesia, nos hospitais da Estefânia, Amadora e MAC, em que o "número de médicos também é insuficiente para cumprir os mínimos estipulados a bem da segurança dos utentes e dos médicos".

"Os hospitais deviam ter mais médicos do quadro de pessoal no serviço de urgência e não podem continuar a recorrer a tarefeiros contratados a empresas a quem os hospitais pagam três a quatro mais do que pagam aos seus médicos", disse Roque da Cunha, que alertou para a "indignação crescente dos médicos" e lamentou o que considerou ser a "insensibilidade do Governo para resolver o problema".

"Espero que o primeiro-ministro António Costa, agora com legitimidade reforçada nas eleições de 6 de outubro, corresponda com medidas concretas à preocupação manifestada pelo senhor Presidente da República com o Serviço Nacional de Saúde", concluiu o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.