A+ / A-
D. António Marto

​Bispo de Leiria-Fátima pede exigência a cidadãos e políticos para enfrentar "onda de populismos"

12 out, 2019 - 18:12 • Teresa Paula Costa

Cardeal alerta que a abstenção elevada, como a registada nas eleições legislativas de domingo, representa uma ameaça à própria democracia.
A+ / A-

Cardeal D. António Marto afirma que a abstenção registada nas legislativas do passado domingo “põe a democracia em jogo” e pede uma reflexão profunda sobre as causas dos populismos.

O cardeal D. António Marto disse este domingo que a abstenção registada nas últimas eleições legislativas portuguesas põe a democracia em jogo.

Na conferência de imprensa que antecedeu o início da peregrinação aniversária de outubro, o bispo da diocese de Leiria-Fátima disse que “o problema da abstenção denota um défice democrático”.

“Com níveis tão elevados de abstenção,” considerou o cardeal, “a rolarem o desinteresse pela coisa pública, é a própria democracia que está em jogo”.

Lembrando que “a democracia não é um dado adquirido, vai-se construindo com o contributo de todos,” o cardeal frisou que “todos os dias temos de trabalhar para a manter, diante das ameaças que nos chegam diariamente através das ondas de choque populistas”.

Por outro lado, defendeu o bispo de Leiria-Fátima, “só com democracias fortes, com cidadãos empenhados e exigentes alcançaremos o progresso”.

Sendo assim, acrescentou D. António Marto, “face à crescente onda de populismos seria bom ter presente esta necessidade e esta consciência de que votar é o exercício de um direito, mas é também uma obrigação moral, de todos os cidadãos, mas também e sobretudo, dos cristãos”.

Lamentando que a onda populista se esteja a espalhar pela Europa, o cardeal pediu “uma reflexão profunda, objetiva, científica até, sobre as situações que provocam estes populismos e também uma ação de formação e iluminação das consciências” e isso, salientou, “faz parte da missão das Igrejas, não me refiro só à Igreja Católica, mas a todas as outras”.

Para o cardeal, “também se deve ter presente a necessidade de elevação da qualidade da atividade política, para não se contentar com justificações ou slogans superficiais”, pois “é preciso responder às questões de fundo da sociedade e do país”. É que, considerou D. António Marto, “a classe política deve mostrar que tem classe”.

A classe política, disse o cardeal, “precisa de dar um salto, na atenção aos problemas, que se ponha o bem comum acima do bem particular ou partidário, que sejam fiéis às promessas que fazem, que sejam realistas nas promessas que fazem e não usarem demagogias, que sejam próximos daqueles que os elegem para conhecerem os seus problemas e que procurem dar um testemunho de honestidade e credibilidade que elimine tudo aquilo que possa produzir qualquer suspeita de corrupção”.

A peregrinação internacional aniversária decorre entre este sábado e domingo, no Santuário de Fátima, numa celebração presidida pelo arcebispo de Seul, o cardeal Andrew Yeom Soo-jung.

[notícia atualizada às 19h30]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.