A+ / A-

​Nova Comissão Europeia assumirá funções um mês depois do previsto

12 out, 2019 - 18:22 • Lusa

Possivelmente só a 1 de dezembro o novo executivo comunitário tomará posse, admite o presidente do Parlamento Europeu.
A+ / A-

O presidente do Parlamento Europeu, o italiano David Sassoli, admitiu este sábado que provavelmente será impossível a nova Comissão Europeia tomar posse na data prevista, a 1 de novembro, podendo o processo ser adiado para o início de dezembro.

"O Parlamento está empenhado num mecanismo transparente. Agora, outros três comissários deverão ser propostos pela Roménia, Hungria e França e iremos começar no Parlamento a avaliar as suas candidaturas", afirmou David Sassoli, citado pelas agências noticiosas italianas, durante uma reunião em Cernobbio, no norte da Itália.

"Penso que talvez não seja mais possível respeitar a data de 1 de novembro, iremos para o 1 de dezembro", admitiu o político italiano.

A votação de confirmação no Parlamento Europeu (PE) sobre o colégio de comissários proposto pela presidente da Comissão Europeia indigitada, a alemã Ursula von der Leyen, deverá acontecer, segundo o calendário previsto, no próximo dia 23 de outubro, numa sessão plenária em Estrasburgo (França).

No entanto, três nomes do colégio foram chumbados pelas comissões do PE durante o processo de avaliação.

O último nome foi o da candidata a comissária indicada por França, Sylvie Goulard.

O PE rejeitou na quinta-feira a nomeação de Sylvie Goulard como comissária europeia do Mercado Interno, com uma votação inequívoca de 82 votos contra, 29 a favor e uma abstenção.

O parecer negativo dos eurodeputados das comissões parlamentares do Mercado Interno e da Indústria prendeu-se com a recusa de Sylvie Goulard de apresentar a demissão do cargo de comissária europeia caso seja acusada no processo dos empregos fictícios de assistentes do seu partido, o MoDem, no PE, o mesmo que a levou a demitir-se do Governo francês em junho de 2017, apenas um mês após ter assumido a pasta da Defesa.

O 'chumbo' da candidata francesa foi mais um revés para Ursula Von der Leyen, que já tinha visto a comissão parlamentar de Assuntos Jurídicos vetar a nomeação do húngaro László Trócsányi (Vizinhança e Alargamento) e da romena Rovana Plumb (Transportes), por potenciais conflitos entre os seus interesses financeiros e as suas futuras funções.

A comissária indigitada por Portugal, Elisa Ferreira, recebeu parecer favorável a 3 de outubro.

Elisa Ferreira, a quem a presidente eleita da nova Comissão Europeia atribuiu a pasta da Coesão e Reformas, foi aprovada "tecnicamente" por unanimidade por todos os grupos da comissão parlamentar de Desenvolvimento Regional.

Ao ter recebido a 'luz verde' dos eurodeputados, Elisa Ferreira torna-se a primeira mulher portuguesa a integrar o executivo comunitário desde a adesão de Portugal à comunidade europeia (1986).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.