A+ / A-
Histórico

Kipchoge, recordista mundial, correu maratona abaixo de duas horas

12 out, 2019 - 11:44

Aos 34 anos, o queniano (campeão olímpico no Rio de Janeiro, em 2016) foi o primeiro a baixar as duas horas. Prova decorreu este sábado em Viena, mas não vai ser homologada pela Associação Internacional de Federações de Atletismo, pois trata-se de uma corrida não oficial.
A+ / A-

O queniano Eliud Kipchoge, recordista mundial da maratona, correu hoje os 42,195 quilómetros em 1:59.40,2 horas, em Viena, numa corrida não oficial organizada para este efeito.

Aos 34 anos, Kipchoge, que detém o recorde do mundo da distância (2:01.39 horas), foi o primeiro a baixar as duas horas, no desafio INEOS 1.59, preparada para alcançar este feito, numa corrida em solitário, que não será homologada pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF).

O campeão olímpico no Rio2016 começou a correr às 08h15 locais (07h15 em Lisboa), atrás de um carro “corta-vento” e marcador de tempo [pacer] e constantemente “escoltado” por 41 atletas de topo, que cumpriram a missão de “lebres” por turnos. Kipchoge cumpriu quatro vezes um circuito plano de 9,9 quilómetros a um ritmo constante de dois minutos e 50 segundos por quilómetro, ou seja, a uma velocidade de 21 quilómetros por hora.

Para Kipchoge, apesar de esta marca não ser homologada, bater a barreira das duas horas é mais importante do que o recorde mundial alcançado em 2018, em Berlim, por ser uma marca histórica e permitir inspirar toda uma geração.

"É diferente correr em Berlim e correr em Viena. Correr em Berlim é para vencer e bater um recorde mundial, Viena é como ir à Lua", afirmou o queniano, campeão do mundo dos 5.000 em 2004 e vencedor das maratonas de Chicago, Londres e Berlim.

Além de simbólico, o desafio INEOS 1.59, patrocinado pelo gigante da petroquímica, foi também um gigante evento mediático.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.