|
Ana Sofia Carvalho
Opinião de Ana Sofia Carvalho
A+ / A-

​Um referendo à eutanásia: a imprudência prudente no cenário da "geringonça 2.0"

11 out, 2019 • Opinião de Ana Sofia Carvalho


Tal como muitos previam o cenário da legalização da eutanásia em Portugal é, desde domingo, quase inevitável.

Se o processo decorrer como em 2018 e, tendo em consideração o artigo publicado pelo DN sobre a forma como a nova composição do parlamento influenciará a aprovação, a lei será, por certo, aprovada.

Resumidamente, temos do PS 106 deputados, mais 20 do que a legislatura anterior, que, tal como em 2018 se antecipa que sejam maioritariamente a favor da legalização da eutanásia.

Neste cenário basta o BE, que mantém o mesmo número de deputados, para viabilizar a aprovação. Com a liberdade de votos decretada no PSD, onde alguns deputados poderão, tal como o líder do partido, ser favoráveis à eutanásia e com os votos do PAN, Iniciativa Liberal e Livre esta situação é praticamente incontornável. Além disso, os resultados da CDU e do CDS fazem com que sejam perdidos 18 votos contra a aprovação da proposta de lei.

Assim, mobilizar uma estratégia tem que ser uma prioridade para ontem. Eu, que sempre considerei o referendo como indesejável, face à confusão que persiste a nível das terminologias (usadas tantas vezes de forma errada) e, de situações que, de todo não correspondem ao que se pretende aprovar nesta legislatura penso, hoje, que esta alternativa é a nossa última hipótese.

Mas porque a dignidade de quem é tratado e da dignidade de quem trata é violada todos os dias nos cuidados de saúde, eu não me resigno a viver num país que escolha como solução para resolver esta indignidade, o deixar e aceitar matar as pessoas. De facto, a dignidade de todos, que por vezes, poucas…, somos nós, é ameaçada todos os dias.

  • PORQUE o meu diagnóstico e prognóstico não me é comunicado ou é comunicado numa linguagem que não percebo e num tom, no mínimo, desadequado;
  • PORQUE, muitas vezes, profissionais de saúde comunicam entre si como se eu não existisse;
  • PORQUE não me tocam nem olham para mim ou, quando me olham, só veem a minha doença e não o doente que eu sou;
  • PORQUE existem pessoas que porque estão com gripe têm que dormir á porta do centro de saúde para ter consulta;
  • PORQUE cada enfermeiro é responsável por 30 doentes;
  • PORQUE o médico só tem 20 minutos para a consulta (os auditores do Tribunal de Contas sugerem que a redução do tempo para 15 minutos para o atendimento, o que tornaria possível fazer mais 10,7 milhões de consultas);
  • PORQUE metade dos médicos do SNS, têm mais de 50 anos;
  • PORQUE foram registados 637 casos de violência contra profissionais de saúde nos últimos anos;
  • PORQUE existem pessoas que foram transplantadas e o processo falhou porque, entretanto, deixaram de ter recursos para suportar os custos dos medicamentos;
  • PORQUE existem pessoas insuficientes renais que recusam ser transplantados pela impossibilidade de virem às consultas (são de longe) e de assegurarem a compra dos fármacos necessários…a diálise diária é mais barata;
  • PORQUE adiam a cirurgia por falta de anestesistas mas, esqueceram-se de me avisar! Eu vim de longe!! Faltei ao trabalho e paguei uma fortuna de táxi/ambulância;
  • PORQUE a prescrição eletrónica de medicamentos ocupa, quando funciona, entre quatro a 10 minutos de cada consulta;
  • PORQUE é preciso esperar em média 59 dias por uma consulta numa Unidade de Saúde Familiar e 37 dias nas Unidades de Cuidados de Saúde Primários;
  • PORQUE no final do primeiro semestre de 2019 existiam 750 mil utentes sem médico de família;
  • PORQUE os médicos usam 33,4% do seu tempo em actividades não relacionadas com o contacto direto com os doentes;
  • PORQUE a referenciação para os cuidados continuados não tem uma resposta célere e adequada às necessidades do momento;
  • PORQUE querem desinstitucionalizar os doentes mentais sem cuidados continuados de psiquiatria e sem famílias com recursos para ver regressar estes doentes;
  • PORQUE uns podem optar por convenções ou seguros de saúde e outros, só podem escolher o SNS e desesperam a esperar;
  • PORQUE me ferem na forma como comunicam a verdade do meu diagnóstico/prognóstico;
  • PORQUE depois de um diagnóstico que me provoca uma enorme incerteza e ansiedade tenho de esperar por cirurgia e consultas para lá do prazo legal limite;
  • PORQUE me dizem “já não há nada a fazer”;
  • PORQUE a larga maioria da população não tem acesso a cuidados paliativos ou a acompanhamento adequado no final da vida;
  • PORQUE violam o meu direito de poder morrer em casa pois, na grande maioria do país, o acesso a cuidados paliativos domiciliários é uma utopia;
  • PORQUE, em 2018, o buraco no SNS, mesmo neste cenário caótico, agravou-se em 145% e, parece que para alguns a prescrição para esta doença crónica, revista de forma breve e incompleta neste diário clínico em forma de ABC de PORQUÊS, é deixar que as pessoas peçam para morrer. Não é esta a mensagem que eu quero deixar às minhas filhas. “Como se atrevem?”

Ana Sofia Carvalho
Professora do Instituto de Bioética
Universidade Católica Portuguesa

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    11 out, 2019 20:20
    Excelente análise da Professora Doutora Ana Sofia Carvalho: «porque a dignidade de quem é tratado e da dignidade de quem trata é violada todos os dias nos cuidados de saúde, eu não me resigno a viver num país que escolha como solução para resolver esta indignidade, o deixar e aceitar matar as pessoas».