A+ / A-

Comissária francesa chumbada pelo Parlamento Europeu

10 out, 2019 - 21:48 • Redação com Reuters

Em causa está um caso de falsos empregos no Parlamento Europeu e o salário elevado que aufere como conselheira de um grupo de reflexão norte-americano.
A+ / A-

Sylvie Goulard, a candidata a comissária europeia proposta pela França, foi rejeitada esta quinta-feira pelos eurodeputados, depois de uma segunda ronda de audições.

A candidata francesa deveria ficar com a pasta do Mercado Interno e da Indústria, mas o nome recebeu 82 votos contra e apenas 29 a favor, não conseguindo os dois terços de apoio necessários para tomar posse.

Em causa está um escândalo sobre falsos empregos no Parlamento Europeu, em que Sylvie Goulard esteve implicada, e o salário elevado que aufere como conselheira de um grupo de reflexão norte-americano.

A candidata a comissária europeia garantiu estar inocente, como já tinha feito na primeira audição, a 2 de outubro. Em junho de 2017, demitiu-se do Governo francês na sequência do caso dos empregos fictícios, em que ainda não foi acusada.

“Eu não estou sob uma investigação formal, mas numa situação judicialmente diferente, muito clara”, declarou Goulard.

Já Manon Aubry, uma eurodeputada francesa de extrema-esquerda, disse que os cidadãos europeus “não vão depositar a sua confiança nas suas instituições quando uma comissária não vê qualquer problema em receber 10 mil euros por mês de um lobby privado a somar ao salário de eurodeputada”.

Este é o terceiro nome a ser rejeitado pelo Parlamento Europeu, depois dos comissários romeno e húngaro.

Antes de poder começar a trabalhar, a nova Comissão Europeia, liderada pela alemã Ursula Von der Leyen, vai a votos como um todo a 23 de outubro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.