A+ / A-

Irão marca 14 golos no regresso das mulheres aos estádios

10 out, 2019 - 16:19 • Redação com Lusa

Mehdi Taremi, do Rio Ave, e Mohammadi, do Desportivo das Aves, entraram na lista de marcadores.
A+ / A-

O Irão venceu o Camboja, esta quinta-feira, por 14-0, num jogo histórico para o futebol iraniano, que marcou o regresso das mulheres aos estádios de futebol, pela primeira vez desde 1979.

Num jogo de qualificação para o Mundial 2022, a seleção da iraniana, a jogar em casa, contou com cerca de quatro mil mulheres nas bancadas a apoiar a seleção.

A abertura dos estádios a mulheres surge semanas depois de a jovem iraniana Sahar Khodayari, de 29 anos, se ter imolado em frente a um tribunal de Teerão, vindo a falecer, depois de ter sido condenada a seis meses de prisão por tentar ir a um jogo.

Ao intervalo, a seleção do Irão já vencia por 7-0, um resultado que dobrou no segundo tempo. Mehdi Taremi, do Rio Ave, fez dois golos e apontou uma assistência. Já Mehrdad Mohammadi, do Desportivo das Aves, entrou aos 72' minutos e apontou o 13º golo.

A morte de Sahar Khodayari suscitou uma 'onda' de protestos nas redes sociais, com várias figuras mediáticas a pedirem à FIFA que banisse o Irão das competições internacionais e que os adeptos não assistissem aos jogos.

Entretanto, uma delegação da FIFA deslocou-se à capital iraniana, onde se encontrou com responsáveis governamentais, e disse ter recebido garantias de que as mulheres seriam autorizadas a entrar nos estádios. Desde 1979, após a revolução islâmica, as mulheres foram proibidas de entrar em estádios, com a justificação oficial de as proteger dos homens.

O Irão é a última nação do mundo a proibir mulheres em partidas de futebol. Recentemente, a Arábia Saudita começou a permitir que as mulheres pudessem assistir aos jogos de futebol.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.