A+ / A-
Legislativas 2019

Costa aceita "não" de Jerónimo e diz que vai trabalhar com o PCP para aprovar Orçamento

09 out, 2019 - 18:22 • Agência Lusa

Líder do PS diz respeitar as posições de todos os partidos de esquerda e garante que não vai ter parceiros preferenciais.
A+ / A-

O secretário-geral do PS defendeu esta quarta-feira que há um quadro político distinto face a 2015, que respeita a opção do PCP de não exigir acordo escrito de Governo e que tratará sem preferências os parceiros de esquerda.

"Respeitamos os partidos que entendem que é útil que haja acordo escrito [Bloco de Esquerda] e também os partidos que entendem que não é útil que haja acordo escrito [PCP]. Não trabalharemos preferencialmente com nenhum dos partidos com quem temos contactos ao longo do dia de hoje", declarou António Costa no final de hora e meia de reunião na sede do PCP.

Antónia Costa congratulou-se por, até agora, nenhuma força política (Livre, PAN, PEV e PCP) "ter fechado a porta" à formação do novo Governo socialista, defendeu que "há razões para se encarar com confiança" a próxima legislatura, mas advertiu que o quatro político atual é distinto àquele que se verificava em 2015, quando foi formada a "Geringonça".

"Nesta reunião, o que foi manifestado pelo PCP - e que consideramos positivo - é a disponibilidade para fazer a apreciação conjunta desde logo do Orçamento do Estado. Haver essa disponibilidade é um sinal positivo", insistiu.

A seguir, o líder socialista procurou desdramatizar o facto de o PCP, desta vez, não pretender assinar qualquer declaração conjunta na perspetiva de uma legislatura, ao contrário daquilo que aconteceu em 2015.

"Felizmente, o quadro político é distinto do de 2015. O quadro político anterior ou o atual não aproximou ou distanciou mais o PS do PCP. O anterior quadro político colocava exigências a cada um dos partidos distintas em relação às condições que existem hoje, desde logo porque em 2015 era necessário afirmar uma maioria que não tinha resultado diretamente das eleições para haver uma indigitação de Governo", justificou, numa alusão ao papel então assumido pelo ex-Presidente da República Cavaco Silva.

Neste ponto, António Costa lembrou que a legislatura anterior começou com um Governo de Pedro Passos Coelho (PSD/CDS-PP), que depois foi derrubado no Parlamento.

Jerónimo reitera independência do PCP e atira ónus da estabilidade a PS

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, reitera a independência do PCP e atirou o ónus da estabilidade política, nomeadamente em termos de governação para a próxima legislatura, para as mãos do PS.

"Mantendo o PCP a sua iniciativa e intervenção, tal como aconteceu nos últimos anos, será em função das opções do PS, dos instrumentos orçamentais que apresentar e do conteúdo do que legislar que o PCP determinará, como sempre, com inteira independência política, o seu posicionamento, vinculado que está aos compromissos que assumiu com os trabalhadores e o povo", disse.

O líder do PCP falava aos jornalistas após receber na sede nacional dos comunistas, em Lisboa, a comitiva socialista.

"O PCP não acompanhará e dará combate às manobras artificiais de desestabilização inseridas na dinâmica revanchista de setores e forças reacionárias, como não contribuirá para alimentar quadros ilusórios de convergência, desligados de conteúdo concreto que os enforme, e que, a partir de uma ou outra medida, iludam opções estruturantes que limitem ou impeçam a resposta que se exige aos problemas do país", ressalvou o secretário-geral comunista.

[notícia atualizada às 19h25]


legislativas 2019 promosite
Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.