A+ / A-

​Primeiro contacto Kia XCeed. Um CUV que não é de calças arregaçadas

08 out, 2019 - 19:11 • José Carlos Silva

Este CUV - Crossover Utility Vehicle da Kia - apresenta-se em Portugal com um preço abaixo do maior sucesso da marca, o Kia Procede e acima do STonic.

A+ / A-

O Kia XCeed é o quarto elemento da família Ceed, e para a marca coreana será o modelo mais vendido da marca em Portugal.

Este CUV - Crossover Utility Vehicle da Kia - apresenta-se em Portugal com um preço abaixo do maior sucesso da marca, o Kia Procede (que a Renascença já testou) e acima do STonic.

E enquadra-se na perfeição no leque de modelos procurados pelos portugueses: ar robusto, agressivo na conta certa, desportivo em alguns pontos, como a traseira, onde na parte inferior pintada de cor diversa do resto da carroceria pontuam duas generosas saídas de escape.

O design exterior é fator fundamental na escolha de um carro, e nesse sentido, apesar da plataforma ser partilhada por outro Ceed, apenas um painel é comum: o das portas dianteiras, o que serve para a marca afirmar que foram colocados muitos esforços num produto que se pretende original.

Exteriormente ganha relevo a grelha de dupla lâmina, os faróis led, um capô elevado.

No interior, segue-se a tendência do momento com um ecrã digital a servir de quadrante e outro de maiores dimensões na consola central. Este último pode ficar dividido em três, com três informações distintas, por exemplo GPS, estacões de rádio e estado do tempo.

Este não é um mero SUV/CUV apenas de aparência, e como tal não tem apenas "calças arregaçadas". De resto tem uma boa altura ao solo e como referência, apenas ligeiramente inferior ao do Nissan Qashqai, (que a Renascença já testou) e que é a referência clássica do segmento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.