|
A+ / A-

​Peixes limpadores podem deixar de limpar. A culpa é das alterações climáticas

07 out, 2019 - 22:36 • Lusa

Estudo internacional integrou investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

A+ / A-

Os peixes limpadores, que têm entre as suas funções remover parasitas e contribuir para a biodiversidade, poderão deixar de fazer esta função devido às alterações climáticas, conclui um estudo divulgado esta segunda-feira.

A investigação, que integrou investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e foi publicada recentemente na revista Scientific Reports revela que peixes limpadores podem mudar de hábitos.

De acordo com um comunicado, o estudo demonstrou que "após uma longa exposição a água mais quente e mais ácida os peixes limpadores - Labroides dimidiatus - reduzem a motivação para interagir com outros peixes do recife de coral".

O trabalho realizado no Laboratório Marítimo da Guia para estudar as reações dos peixes às futuras alterações climáticas, usou valores de temperatura e de pH previstos pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) para o fim do século, acrescenta o mesmo comunicado.

As alterações observadas, de acordo com o estudo, estão relacionadas com as "mudanças nos níveis de neurotransmissores no cérebro (dopamina e serotonina)" dos peixes.

Os peixes limpadores têm a função de remover parasitas e pele morta de outros peixes dos recifes de coral, contribuindo para a formação da biodiversidade, incluindo espécies vulneráveis ou em vias de extinção.

A investigação, que teve início em novembro de 2014, contou com a participação de investigadores da Universidade Nova de Lisboa, da Universidade de Uppsala, na Suécia e da Universidade de James Cook, na Austrália.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.