Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Análise dos resultados eleitorais - 07/10/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Análise dos resultados eleitorais - 07/10/2019

J. Lucas Pires/H. Raposo

"Não vai ser fácil o CDS recuperar” e “é preciso perceber o Chega"

07 out, 2019


Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo analisam os resultados das eleições legislativas de domingo, donde saiu uma nova composição do Parlamento.

“O descalabro” do CDS impressionou Jacinto Lucas Pires, que considera a derrota de Assunção Cristas “muito problemática”.

Na opinião deste comentador, a queda do partido “já vem de longe”, da era de Paulo Portas. “Um partido que era de ideias passou a não ser diferenciador em nada”, defende.

Henrique Raposo concorda. “É liberal, conservador, católico, o que é?”, questiona.

Quanto ao PSD, Henrique Raposo que não há grande margem para Rui Rio se manter na liderança. Rio “consegue fazer pior do que Santana”, afirma.

Já Jacinto Lucas Pires considera que as sondagens, ao contrário do que Rui Rio disse, fizeram um favor ao partido, pois assim a derrota “não foi tão terrível”.

A chegada de novos partidos ao Parlamento agrada aos dois comentadores, com Lucas Pires a elogiar o Livre e Henrique Raposo a chamar a atenção para o Chega.

“É um fenómeno com que temos de ter muito cuidado. A extrema-direita é para perceber; perceber porque é que há pessoas que votam naquilo, porque é que há pessoas do antigo território do PCP que votam extrema-direita”, analisa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Caetano Miguel caetanomiguel@gmail.com
    09 out, 2019 Lisboa 20:30
    Sou Católico, Apostólico, Romano, sou ouvinte da RR diariamente, não tenho partido fixo, pois decido depois de ler os programas e o meu club é o Benfica. Depois de fazer a minha apresentação venho criticar Henrique Raposo, que se diz defensor da liberdade de expressão, mas não aceita André Ventura e diz "Quem é Montenegro?". Disse também que André Ventura foi eleito por ter protagonismo num canal de televisão onde defende o Benfica. E pergunto. Será que Henrique Raposo não tem protagonismo por causa dos microfones da Renascença. Eu por exemplo nunca o ouvi a não ser na RR. Um pouco de humildade só lhe fica bem e se se acha tão intelectualmente capaz crie um movimento, concorra a eleições e aguarde os votos dos portugueses. E lembre-se: É sempre mais fácil deitar abaixo do que construir.
  • Leonor
    09 out, 2019 Lisboa 13:14
    Comentário ao comentário de Filipe Tasibe - Convença-me de que o seu comentário não é fundamentalista do mais hipócrita que há a fazer guerras desde a reconquista, se for capaz, claro!
  • João Lopes
    07 out, 2019 21:40
    Excelentes comentários!
  • Filipe Tasibe
    07 out, 2019 16:31
    Mais do que perceber o Chega, eu gostaria de perceber se a Rádio Renascença ainda é Católica. E, se assim é, porque motivo mantém estas duas figuras como comentadores.