A+ / A-

Papa aprova beatificação do Cardeal Wyszynski

03 out, 2019 - 16:57 • Aura Miguel

Wyszynski morreu em 1981, quinze dias depois do atentado contra João Paulo II. A data da sua beatificação ainda não foi anunciada.

A+ / A-

O Papa Francisco aprovou esta quinta-feira o decreto da Congregação para a Causa dos Santos, que reconhece o milagre atribuído ao arcebispo de Varsóvia e primaz da Polónia, Stefan Wyszynski. O milagre que permitiu a beatificação relaciona-se com a cura inexplicável de uma jovem mulher de 19 anos diagnosticada com um cancro incurável na tiróide.

Homem-chave na resistência ao regime, Wyszynski serviu a Igreja entre os anos 1948 e 1981 e esteve preso durante três anos por se recusar a entregar três dos seus sacerdotes acusados de resistência anti-comunista. Apesar de preso, Wyszynski continuou a enviar mensagens aos católicos, afirmando que “a falta de coragem é o início da derrota de um bispo”.

Quando o Papa Pio XII, em 1953, o escolheu para cardeal, o regime impediu Wyszynski de viajar até Roma. No entanto, o primaz da Polónia foi sempre, ao longo dos anos, uma corajosa referência junto dos fiéis católicos.

Mais tarde, viria a ter um papel importante no conclave de 1978 que elegeu o jovem cardeal de Cracóvia, Karol Wojtyla, a quem terá profetizado: “Tu deves introduzir a Igreja no terceiro milénio.”

Impresso na memória ficou o comovente episódio dos dois amigos polacos abraçados, quando, na Praça de São Pedro, o velho cardeal tenta ajoelhar-se para jurar fidelidade ao novo Papa polaco e Wojtyla tenta impedi-lo com um abraço.

Wyszynski morreu em 1981, quinze dias depois do atentado contra João Paulo II. A data da sua beatificação ainda não foi anunciada.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.