|
A+ / A-

Elisa Ferreira recebe "luz verde" do Parlamento Europeu

03 out, 2019 - 10:02 • Redação com Lusa

A 1 de novembro assume a pasta da Coesão e Reformas no novo executivo comunitário.

A+ / A-

Elisa Ferreira passou no exame dos eurodeputados para assumir o cargo de comissária europeia. O parecer relativo à audição foi divulgado, esta quinta-feira, pelo Parlamento Europeu, em Bruxelas.

Foi aprovada “tecnicamente” por unanimidade por todos os grupos da comissão parlamentar de Desenvolvimento Regional, uma vez que a coordenadora do Identidade e Democracia (extrema-direita), Francesca Donato, que se manifestou contra a aprovação da portuguesa, saiu da sala antes da votação, especificaram as mesmas fontes.

A comissão parlamentar, que teceu “elogios rasgados” à comissária indigitada por Portugal, considerou que a política portuense, de 63 anos, possui as competências necessárias para integrar o colégio de comissários e para desempenhar as funções específicas que lhes foram confiadas.

Este parecer, que incluirá ainda o parecer das comissões associadas, as de Orçamentos e de Assuntos Económicos e Monetários, só será tornado público no final de todas as audições aos comissários indigitados, em 17 de outubro, aquando da Conferência de Presidentes do Parlamento Europeu.

A Elisa Ferreira resta agora esperar pelo final das audições, que decorrem até 8 de outubro, e pelo voto do Parlamento Europeu ao colégio de comissários no seu todo, agendado para 23 de outubro, devendo entrar em funções a 1 de novembro, com a restante "Comissão Von der Leyen", que sucede ao executivo comunitário de Jean-Claude Juncker.

Primeira mulher portuguesa a integrar o executivo comunitário

Elisa Ferreira apresentou na quarta-feira as seis tarefas fundamentais, "algumas delas urgentes", que irá propor-se enquanto comissária da Coesão e Reformas no futuro executivo comunitário, prometendo trabalhar em cooperação com o Parlamento Europeu para não "deixar ninguém para trás".

O nome da portuguesa foi revelado pela presidente Ursula von der Leyen, durante a apresentação do novo executivo comunitário em Bruxelas, a 10 de setembro.

A futura comissária, a primeira mulher portuguesa a integrar o executivo comunitário desde a adesão de Portugal à comunidade europeia (1986), sucederá a Carlos Moedas, que foi comissário indicado pelo anterior governo PSD/CDS-PP, e que teve a seu cargo a pasta da Investigação, Ciência e Inovação e foi nomeado em novembro de 2014.

A nova comissária, de 63 anos, trabalhará de perto com o vice-presidente executivo Frans Timmermans, que supervisionará o trabalho da comissária da Coesão e Reformas, assim como dos comissários responsáveis pela Agricultura, Saúde, Transportes, Energia e Ambiente e Oceanos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.