|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Legislativas

António Costa e Jorge Coelho criticam campanha de “fait divers” (sem mencionar Tancos)

03 out, 2019 - 00:53 • Susana Madureira Martins , com redação

Jorge Coelho sente-se "insultado" quando dizem que Viseu é o "cavaquistão".

A+ / A-
António Costa e Jorge Coelho criticam campanha de “fait divers” - reportagem de Susana Madureira Martins
António Costa e Jorge Coelho criticam campanha de “fait divers” - reportagem de Susana Madureira Martins

É uma espécie de jogo de sombras sobre Tancos. Fala-se do caso sem dizer que é o caso e, sobretudo, a caravana socialista tenta desvalorizar a polémica.

No comício desta quarta-feira à noite, em Viseu, o líder do PS, António Costa, defendeu aquilo que verdadeiramente interessa ao cidadão anónimo e não é o que se discute na “bolha mediática”.

“Aquilo que as pessoas dizem diretamente, cara a cara, aos políticos, muito raramente tem a ver com o que os políticos dizem uns aos outros ou o que se discute muito nessa bolha político-mediática”, afirma António Costa.

O líder socialista conta que as pessoas vêm ter consigo para se queixarem de questões que afetam o seu dia a dia, como um atraso na luz verde da Segurança Social para começar a receber a reforma.

“Estes são os problemas das pessoas reais, das pessoas que no próximo domingo vão votar e vão decidir”, declarou.

Segundo Costa, cá está o PS que ouve as pessoas, cuja missão é cumprir aquilo a que se compromete sem se “distrair com questiúnculas”. Que questiúnculas são essas? A verdade é que Tancos é o que tem marcado a campanha.

Antes, o ex-ministro socialista Jorge Coelho também tinha entrado no jogo de dizer sem dizer e insinuar que Tancos é um “fait divers”.

“Quando eu vejo muitas das pessoas que têm de discutir política na campanha, discutir questões que são autênticos ‘fait divers’, que não interessam para nada para a vida de cada um de vós, das vossas famílias, dos vossos filhos e não discutem, em concreto, aquilo que cada um quer para o futuro deste país, fico triste por haver políticos que ainda não perceberam que um país, um povo, é diferente e cada vez mais quer participar”, acusa Jorge Coelho

De registar que o histórico socialista, no apelo ao voto no PS, chegou a dizer que as pessoas até podem votar noutro partido, desde que não sejam muitas a fazê-lo.

O antigo ministro também aproveitou o seu discurso para lançar “farpas” ao líder do PSD, Rui Rio, que na noite anterior disse num comício em Viseu que viu o "cavaquistão renascer", numa referência às grandes votações que o distrito deu ao antigo líder do PSD Cavaco Silva.

Jorge Coelho sente-se "insultado" quando dizem que Viseu é o "cavaquistão", defendendo que os habitantes do distrito não esquecem o passado e não querem voltar a viver nesse tempo.

"Não nos chamem nomes! Nós somos viseenses. Aqui não há cá cavaquistão nenhum, nós somos de Viseu", exclamou.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.