|
Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Mais Tancos na campanha - 03/10/2019
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Mais Tancos na campanha - 03/10/2019

Taborda da Gama

"A primeira coisa a saber em Tancos é quem roubou as armas e porquê"

03 out, 2019


João Taborda da Gama e Fernando Medina comentam as novas notícias sobre o caso das armas de Tancos e a sua eventual interferência na campanha eleitoral.

O caso de Tancos continua a dar que falar e, nesta quinta-feira, há duas publicações que avançam novos dados. “Não há propriamente novidades, mas pretendem-se manchetes sumarentas”, reage Fernando Medina.

O presidente da Câmara de Lisboa (PS) sublinha que Azeredo Lopes já não é membro do Governo há muito tempo e critica as constantes tentativas de envolvimento do primeiro-ministro e do Presidente da República no caso.

Medina espera ainda que a inspeção geral da Defesa “seja coerente com a investigação do Ministério Público, senão algo sem sentido estaria a acontecer”.

João Taborda da Gama é perentório: “ainda não estou esclarecido sobre a parte central do caso: que é quem é que tirou as armas e porquê”.

Em seu entender, “este é um caso muito complexo” e somos levados a desviar-nos do foco da questão: “quem é que roubou as armas, porquê e para quê e se era um esquema de roubo de armas, de venda ou o quê”.

“As pessoas que praticaram isso têm de ser penalizadas em primeiro lugar. Independentemente depois de como é que os políticos reagiram”, defende.

“A segunda coisa é se se percebe que há uma grande rivalidade perniciosa para o interesse público entre várias polícias e forças de investigação. Isso não é admissível num Estado de Direito e tem de ser corrigido”, aponta ainda o comentador.

João Taborda da Gama chama ainda a atenção para o modo como, algumas vezes, a questões de Estado têm de ser resolvidas. “Há assuntos do Estado em que tem de se ter algum cuidado no modo como, enquanto acontecem, são manuseados”.

“Eu não sei se uma devolução de armas – podemos chamar-lhe encenação ou estratégia de recuperação – é totalmente negativo”, finaliza.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.